Rua Felipe Schmidt nos anos 80

A fotografia acima mostra uma parte da Rua Felipe Schmidt na década de 80. No parte superior esquerda, em frente ao Hospital, e sem aparecer na imagem, havia a casa de Margarida Anna Klein Apfelgrünn, que falecei em acidente de trânsito em Pirabeiraba, e que foi casada com Kurt Apfelgrünn, ambos já falecidos por ocasião dessa foto.

Em seguida, havia a loja e oficina de Marcos Behr. O local chegava a sofrer com enchentes, que eram comuns na época. Na parte superior da oficina, havia a Contec Serviços Contábeis, de Odenir Schmidt, e que em março de 1979 foi vendida para o Jonas Piccoli, de São Miguel do Oeste, e ficou Serviços e Contabilidade Piccoli. Nesse mesmo lugar, na década de 60, funcionava a Coletoria Estadual e, antes ainda, o INPS.

Em seguida, na esquina com a Rua Nereu Ramos, havia um terreno baldio, ainda com as ruínas do antigo Hotel Weber. Ali funcionava a mecânica de Alaor Langhammer. O Sr. Weber ainda morava no lugar na década de 70.

No lado direito superior, na esquina com a Jorge Lacerda, funcionou na década de 60 o consultório de dentista do Ohde, que depois seria do Jorge Peters. A família Ohde alugava uma parte do prédio para o salão de cabeleireira da Darcy, cujo marido, Waldemar Poleza, também era cabeleireiro.

Na sequência estava a casa antiga onde funcionou o Samae, e que era de propriedade de Adolfo Pfützenreuter, cuja família chegou a morar ali uma época. No início dos anos 70, ali morava a família de Cleusa e Mérida Tascheck.

Na outra construção havia a relojoaria do Kluge, e então o Bar Arno, fundado pela família Bork na década de 50, e que, na parte inferior, também sofria as consequências das enchentes.

O Del Rey da foto está estacionado em um ponto de táxi, na frente do Besc/BB.

A foto é do Arquivo Histórico Municipal e as informações são de Rosemari Vidal Teixeira Remor, Crista Spitzner Grohskopf e Henry Henkels. 

Um pensamento sobre “Rua Felipe Schmidt nos anos 80

  1. O nome da Sra. que morava na casa da esquina, em frente ao Hospital (que tinha um letreiro “Sapataria”, visível apenas em dias de chuva), era Margarida Anna Klein Apfelgrün, minha avó, viúva já à época, de Kurt Apfelgrün, ex-funcionário e membro da brigada dos Bombeiros Voluntários das Indústrias Augusto Klimmek S.A. Kurt faleceu em 1975 e Margarida em 1978, vítima de acidente automobilístico em Pirabeiraba.
    Na casa onde funcionou o SAMAE, morava a família da Cleusa e da Mérida Taschek, no início dos anos 1970. No prédio do antigo Hotel Weber funcionava a Mecânica do Alaor Langhamer e ele arrumava ônibus na parte da Rua Nereu Ramos. O Sr. Weber morou na casa até a década de 1970.
    Dava muita enchente naquela época, quando o Supermercado União foi construído na rua Nereu Ramos. Tinha um campinho de futebol no local do estacionamento, que enchia sempre que chovia. Da janela do sótão da minha casa, ficávamos vendo a enchente do rio, que alagava tudo mesmo, inclusive a rua, a oficina de motocicletas do Behr, a parte de baixo do prédio do Bar do Arno e a casa da nossa professora D. Zilda Bork e do Mani, que fina nos fundos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s