Família de Josef Grossl e Maria Beil

Recebi algumas fotos das famílias Grossl e Frisch, que me foram cedidas por Marli Rauth. Entre essas, está a foto abaixo, com a família de Josef Grossl. Esse Josef Grossl, carroceiro, nasceu em Eisentrasse, na Boêmia, como filho de Kasper Grossl e Barbara Bangerl, que imigraram ao Brasil em 1876 a bordo do Humboldt. No Brasil, Josef se casou religiosamente em 1892 e civilmente em 1893 com Maria Beil, também de Eisentrasse, filha dos imigrantes Jakob Beil e Anna Hilgardt.  O casal morou em Rio Negrinho, no lugar Campina do Tigre.

O casal teve os filhos: Maria, casada com Henrique Dums; Thereza, casada com José Frisch; Hedwiges, casada com Guilherme Neitzke e, viúva desse, com Engelberto Grossl;  Catharina Grossl, casada com Frederico Lampe;  Anna , que foi a primeira mulher do mesmo Engelberto Grossl;  Lina, casada com Silvestre Jürgensen; Carlos, casado com Rosa Stüber; José, casado com Lydia Stüber; Frida, casada com Carlos Bernardo Schmidt; Alfredo, casado com Frida Hacke; e Luiz, casado com Ida Grosskopf, e que ainda vive neste ano de 2012, contando com 94 anos de idade.

A foto abaixo deve ter sido tirada na segunda metade da década de 10, ainda que, ao que nos parece, não constem nela todos os filhos do casal na época.

O polonês Floriano Wantowski

Floriano Wantowski nasceu no dia 20.02.1862 em Dembowiecz, na Galícia Austríaca, como filho de Josef e Catharina Wantowski. Veio ao Brasil, segundo a história familiar, através do porto de Santos. De lá chegou até São Bento do Sul, onde se casou aos 13.11.1883 com Suzana Czapiewski, nascida em Biala, na Prússia Ocidental, no dia 27.10.1866, filha de Anton Czapiewski e Juliana Schaldowska.

O casal morou na Estrada das Neves. Diz o cronista Josef Zipperer, em suas memórias, que, por ocasião da chegada de tropas federalistas em São Bento do Sul, no final de 1893, Floriano foi um dos vários imigrantes que tiveram seus cavalos requisitados pelo movimento. Ao contrário de quase todos, no entanto, Floriano decidiu acompanhar o grupo, com receio de não voltar a rever os seus animais.

Foi assim que também ele acabou participando do episódio da Revolução Federalista que ficou conhecido como “Cerco da Lapa”. Embora os revolucionários tenham, a muito custo, rendido as tropas legalistas na cidade, o movimento acabou sucumbindo diante das forças de outro Floriano – o Marechal.  Wantowski, que não tinha nada com isso, voltou a São Bento – com 11 cavalos a mais do que levou!

Algum tempo depois, Floriano Wantowski mudou-se para a localidade conhecida como Pocinho, perto do distrito de Volta Grande, em Rio Negrinho. Teria falecido no ano de 1955. Na década de 20, foi tirada uma foto da casa de Floriano na localidade de Rio dos Bugres:

Propriedade do imigrante polonês Floriano Wantowski na localidade de Rio dos Bugres


			

Rio Negrinho no Passado

Osmair Bail mantém um blog que tem entre seus objetivos incentivar a pesquisa e o resgate histórico da cidade de Rio Negrinho. Valiosos registros fotográficos já foram postados pelo autor. O blog pode ser acessado aqui. A história de São Bento do Sul, Rio Negrinho e Campo Alegre muitas vezes se mistura, e iniciativas como essa contribuem para o melhor conhecimento da história e dos personagens do nosso passado.