Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Genealogia Boêmia’

[Este é um esboço da genealogia da família Linzmeyer que constará na obra “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”. Dúvidas, correções e acréscimos, por favor deixe um comentário]

Sem dúvida, a família Linzmeyer é aquela que apresenta mais dificuldades no momento de desvendar a sua genealogia. Isso porque foram 8 famílias diferentes que imigraram ao Brasil e se estabeleceram em São Bento do Sul, o que gerou uma porção de homônimos, e alguns deles, para complicar, casaram-se com outros Linzmeyer, gerando uma confusão da qual muito dificilmente se escapa de equívocos ao estudar a história do sobrenome na região. Ainda em nossos dias, o sobrenome é bastante comum em São Bento do Sul, e recentemente destacou-se no cenário nacional a atriz Bruna Linzmeyer, vinda de um ramo que passou a Corupá. A família do cervejeiro Josef Linzmeyer é a que tem uma genealogia mais conhecida, da qual fazem partes nomes conhecidos como o Cel. Osny Vasconcellos, que teve uma filha Miss Brasil e um neto também ator (Pedro Vasconcellos). Curiosamente, não é o mesmo ramo Linzmeyer da atriz Bruna.

A família de Georg Linzmeyer, casada com Caroline Rückl, imigrou pelo Humboldt em 1876 e recebeu um lote na Estrada das Neves. Teve quatro filhos que se casaram em São Bento do Sul, sendo três homens que, curiosamente, não deixaram descendentes. A filha Clara, por sua vez, casou-se e teve geração na família Wöhl.

Pelo Humboldt também veio outro Georg Linzmeyer, casado com Katharina Oberhofer, moradores na Estrada dos Banhados. Aparentemente, após a morte do marido, Katharina migrou para a América do Norte. O único filho conhecido do casal, chamado Jakob, aqui permaneceu, deixando descendentes em São Bento do Sul, com alguns indo para Rio Negrinho e outros em Trigolândia e Bateias.

Ainda pelo Humboldt, veio ao Brasil o casal Johann Linzmeyer e Anna Maria Stiegler, na companhia dos filhos Josef, Karl e Johann. Josef Linzmeyer foi o conhecido cervejeiro de Oxford, onde teve grande número de descendentes, com muitos deles passando à cidade de Curitiba, onde são reconhecíveis ainda hoje. Karl e Johann também deixaram grande descendência, a maior parte habitando justamente a região do bairro Oxford, em São Bento do Sul.

Wolfgang Linzmeyer e sua esposa Anna Theresia imigraram pelo mesmo Humboldt, e se estabeleceram na Estrada Dona Francisca. Imigraram já com uma certa idade e não deixaram descendentes.

Já o casal Georg Linzmeyer e Anna Maria, também nascida Linzmeyer, veio ao Brasil em 1877 pelo Valparaíso, e se estabeleceu na Estrada dos Banhados. Um ramo de descendentes parece ter migrado para Itaiópolis, e de lá, ao menos alguns, tornaram a São Bento do Sul algum tempo depois. Uma das filhas, chamada Anna, casou-se na família Liebl.

Andreas Linzmeyer, viúvo de Anna Maria Stahl, veio ao Brasil na companhia dos filhos também em 1877, a bordo do Bahia, estabelecendo-se, ao que parece, na Estrada dos Banhados. O filho Josef deixou descendência em São Bento do Sul. O filho Andreas mudou-se para Corupá, sendo o patriarca do sobrenome que ainda existe na cidade. A filha Clara casou-se na família Buchinger e a filha Anna Maria casou-se com outro Linzmeyer. Dos filhos Jakob, Therese e Ferdinand não  foram encontrados registros.

Outro casal imigrante foi Karl Linzmeyer e Anna Maria Rückl, vindos em data incerta ao Brasil. Fixaram residência na Estrada dos Banhados. Futuramente, filhos do casal estiveram no Mato Preto e no Fundão. A filha Maria casou-se na família Gassner, a filha Anna na família Schreiner, e a filha Rosina casou-se com outro Linzmeyer.

Por fim, houve a família de Ferdinand Linzmeyer e Anna Marx, também imigrados em data desconhecida, e que se estabeleceram em Bechelbronn, atual Rio Vermelho. Como não foi encontrado registro posterior dos descendentes deste casal, é provável que tenha se mudado para outras regiões.

GEORG LINZMEYER, operário e lavrador, filho de Jakob Linzmeyer e Barbara Augustin, imigrou de Hammern, na Boêmia, sua aldeia natal, aos 30 anos de idade, na companhia da esposa Caroline Rückl, de 23 anos, filha de Josef Rückl e Anna Maria Rohrbacher, a bordo do Humbolt, que saiu porto de São Francisco do Sul aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.04.1876. Uma irmã de Georg, chamada Thereza, também imigrou. Georg Linzmeyer recebeu um lote colonial na Estrada das Neves, em São Bento do Sul. No dia 13.04.1897 (3FC-20), Georg Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul, aos 51 anos, na casa de Georg Zipperer, sendo sepultado no cemitério da Vila. Caroline Rückl faleceu em São Bento do Sul com 82 anos de idade aos 03.11.1934 (1FC-7v), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Pais de:

 1.1 Jorge Linzmeyer § 1.º

 1.2 José Linzmeyer § 2.º

 1.3 Clara Linzmeyer § 3.º

 1.4 Carlos Linzmeyer § 4.º

 § 1.º

1.1 Jorge Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 06.04.1879 e batizado no mesmo lugar aos 16.05.1879, tendo como padrinhos Georg Buchinger e Clara Linzmeyer. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 05.08.1916 (9C-12v) com Catharina Lobermeyer, de 37 anos, filha de Georg e Barbara Lobermeyer. Jorge Linzmeyer faleceu no lugar São Pedro aos 31.08.1922 (6FC-152).

§ 2.º

1.2 José Linzmeyer, lavrador, nascido aos 09.03.1882 e batizado em São Bento do Sul aos 19.03.1882, tendo como padrinhos Georg Buchinger e Clara Linzmeyer. Foi casado civilmente na mesma cidade aos … com Francisca Robl, de 21 anos de idade, filha dos bávaros Josef Robl, de Schwarzenberg, e Anna Pankratz, de Wartzenried, neta paterna de Francisca Robl e neta materna de Anton Pankratz e Barbara Weiss. O casal morava na Rua das Neves. José Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 05.04.1951 (2FC-21), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Francisca Robl faleceu na mesma cidade aos 30.10.1969 (3FC-246v) e foi sepultada no mesmo cemitério. Não tiveram filhos.

§ 3.º

1.3 Clara Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 05.02.1886, e casada civilmente na mesma cidade aos 08.07.1908 (6C-67v) com Gustavo Wöhl, lavrador, de 27 anos, filho de Gregor Wöhl e Mathilde Schwedler, neto paterno de Andreas Wöhl e Theresia Hübner, e neto materno de Anton Schwedler e Joana Kleinert. Clara Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 05.09.1974 (4FC-102v). Tiveram geração conforme o título Wöhl.

(…)

GEORG LINZMEYER, operário, que imigrou de Hammern, na Boêmia, com 56 anos de idade, a bordo do Humboldt, que saiu porto de São Francisco do Sul aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.04.1876. Em sua companhia, imigrou a esposa Katharina Oberhofer, de 40 anos, e o filho Josef, de 17 (é possível que fosse, na verdade, Jakob). Chegando ao Brasil, a família partiu para São Bento do Sul, onde recebeu um lote no lado oeste da Estrada dos Banhados. Georg Linzmeyer já era falecido em 1891. No mesmo ano, sua esposa Katharina Oberhofer aparece como moradora na América do Norte. É bem possível que, após o falecimento do marido, tenha decidido imigrar para algum lugar do Estados Unidos onde já tivesse parentes próximos. Tiveram:

 1.1 Jakob Linzmeyer § 1.º

 § 1.º

1.1 Jakob Linzmeyer, lavrador, natural de Hammern, casado com Anna Linzmeyer, nascida também em Hammern, filha de Georg Linzmeyer e Anna Maria Oberhofer, falecidos na Boêmia. Foram moradores na Estrada dos Banhados. Anna Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 62 anos de idade no dia 06.06.1913 (4FC-213), sendo sepultada no cemitério da vila. Jakob Linzmeyer faleceu no mesmo lugar aos 74 anos de idade no dia 10.08.1921 (6FC-89) e foi sepultado no mesmo cemitério. Tiveram:

 2.1 Catharina Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 28.09.1879 e batizada no mesmo lugar aos 29.09.1879, tendo como padrinhos Fernando e Anna Maria Linzmeyer. Residente na Estrada dos Banhados. Casada religiosamente em São Bento do Sul aos 04.04.1899 com Franz Hornig, filho de outro Franz Hornig e de Catharina Schmidt. Os dois tiveram filhos tidos como naturais, e que, apesar da diferença de idade, parecem ser realmente do mesmo casal. Catharina Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 03.09.1946 (1FC-223v), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Tiveram geração conforme o título Hornig.

2.2 Fernando Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 06.04.1881 e batizado no mesmo lugar aos 03.05.1881, tendo como padrinho Ferdinand Linzmeyer. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 08.07.1905 (5C-102) com Anna Maria Hillebrand, ou apenas Anna Hillebrand, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 30.05.1885, filha de Josef Hillebrand e Francisca Lang, imigrantes de Tannwald, neta paterna de Ignatz Hillebrand e Maria Anna Seiboth, e neta materna de Franz Lang e Barbara Preissler. Foram moradores do lugar Papanduva, atual Trigolândia, na época pertencente ao município de Campo Alegre. Anna Hillebrand faleceu na casa do seu irmão João Hillebrand, na Estrada Bismarck, em São Bento do Sul, aos 29.07.1931 (7FC-142v), sendo sepultada no cemitério da cidade. Tiveram:

 3.1 Fernando Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 30.10.1905 (10N-95v) e falecido no mesmo lugar aos 17.12.1905 (3FC-149).

3.2 Rodolfo Linzmeyer, com 24 anos em 1931.

3.3 Otto Linzmeyer, com 22 anos em 1931.

3.4 Antônio Linzmeyer, com 19 anos em 1931.

3.5 Anna Linzmeyer, com 17 anos em 1931.

3.6 Frida Linzmeyer, com 14 anos em 1931.

3.7 Bertha Linzmeyer, com 12 anos em 1931.

3.8 Helena Linzmeyer, com 9 anos em 1931.

3.9 Paulo Linzmeyer, com 7 anos em 1931.

 2.3 Anna Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 08.08.1883 e batizada no mesmo lugar no dia 03.09.1883, tendo como padrinho Carlos Schreiner. Foi casada civilmente em São Bento do Sul aos 08.07.1905 (5C-103) com Antônio Fuckner, nascido em São Bento do Sul aos 28.06.1883, filho de Wilhelm Fuckner e Katharina Rohrmann, imigrantes de Dortmund, na Westfália, neto paterno de Karl Fuckner e Juliana Weinrich. Foram moradores na Estrada dos Banhados e mais tarde do lugar Papanduva, atual Trigolândia. Pais de:

 3.1 Antônio Fuckner, nascido em São Bento do Sul aos 14.02.1905 (10N-54v).

 3.2 Henrique Fuckner, nascido em São Bento do Sul aos 07.12.1906 (22N-6v).

 2.4 Bárbara Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 10.09.1886 e batizada aos 20.10.1886, tendo como padrinhos Carlos Schreiner e sua esposa Barbara. Casada civilmente em São Bento do Sul aos 27.10.1906 (5C-183) com João Hillebrand, nascido na mesma cidade aos 08.04.1884, também filho Josef Hillebrand e Francisca Lang, imigrantes de Tannwald. João Hillebrand faleceu em São Bento do Sul aos 07.08.1958 (2FC-235). Bárbara Linzmeyer aos 12.03.1962 (3FC-39v). Tiveram geração conforme o título Hillebrand.

(…)

2.7 Carlos Emanuel Linzmeyer, operário, nascido em São Bento do Sul aos 03.01.1893 (5aN-37v), residente no Rio Vermelho. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 12.05.1917 (9C-29) com Frida Schöffel, de 22 anos, filha de José e Maria Schöffel. Carlos Emanuel Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 24.04.1956 (2FC-156). Frida Schöffel faleceu em São Bento do Sul aos 31.03.1971 (3FC-285), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Pais de:

3.1 João Emanuel Linzmeyer, lustrador e operário, nascido em São Bento do Sul aos 05.04.1918 (17N-163v). Foi casado civilmente em Rio Negrinho aos 14.11.1942 (4C-59v) com Ottília Pscheidt, nascida em São Bento do Sul aos 10.07.1923, residente na Colônia Olsen, filha de Carlos Pscheidt e Thereza Treml, neta paterna de Benedict Pscheidt e Francisca Lobermeyer, e neta materna de Josef Treml e Thereza Hien. João Emanuel Linzmeyer faleceu em Rio Negrinho aos 23.09.1971 (8FC-12v). Ottília Pscheidt faleceu no mesmo lugar aos 13.11.1993 (C3-233v), sendo ambos sepultados no cemitério local.

(…)

JOHANN LINZMEYER, lavrador, que imigrou ao Brasil com 48 anos de idade, vindo de Eisenstrasse, na Boêmia, a bordo do Humboldt, que partiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876. Trouxe consigo a esposa Anna Maria Stiegler (48 anos), nascida em Eisenstresse, e os filhos Josef (23), Karl (21) e Johann Linzmeyer (17). A família foi moradora no bairro de Oxford, em São Bento do Sul, onde Johann manteve um dos primeiros salões de baile de São Bento do Sul. Anna Maria Stiegler faleceu na Estrada Dona Francisca, na mesma cidade, aos 62 anos de idade no dia 12.05.1891 (2FC-91), sendo sepultada no cemitério da sede. Johann Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 02 ou 03.07.1909 (4FC-17), com 79 anos e meio, sendo sepultado na sede de São Bento do Sul. Tiveram:

 1.1 Josef Linzmeyer § 1.º

1.2 Karl Linzmeyer § 2.º

1.3 Johann Linzmeyer § 3.º

§ 1.º

1.1 Josef Linzmeyer, cervejeiro, nascido em Eisentrasse aos 13.01.1853. Ainda bastante jovem, Josef Linzmeyer foi aprendiz em uma fábrica de cerveja em Zwiesel, na Baviera. Em São Bento do Sul, Josef foi o primeiro cervejeiro da cidade, preparando o seu próprio malte. O empreendimento já aparece entre os registros de negócio no ano de 1883. Josef Linzmeyer foi casado em São Bento do Sul no dia 16.09.1877 (2C-72v), conforme assento anotado nos livros de Joinville, com Therese Zipperer, a Zippraresl, nascida em Flecken, na Boêmia, no dia 14 ou 15.10.1859, filha de Anton Zipperer, pioneiro na colonização de São Bento do Sul, e sua esposa Elisabeth Mischeck, neta paterna de Jakob Zipperer e Theresia Bohmann, e neta materna de Thomas Mischeck e Barbara Krall. Therese Zipperer faleceu em São Bento do Sul aos 28.06.1920 (6FC-46), sendo sepultada no cemitério da Vila. Josef Linzmeyer faleceu no mesmo lugar no dia 01.11.1932 (7FC-164v) e foi sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

2.1 João Linzmeyer, carreteiro, nascido em São Bento do Sul no dia 01.06.1879 e batizado no mesmo lugar aos 07.07.1879, tendo como padrinhos Anton Zipperer e Inez Breszinski.

 2.2 Antônio Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 24.04.1881 e batizado no mesmo lugar aos 04.05.1881, tendo como padrinhos Anton Zipperer e sua esposa Inez Breszinski. Teria se casado aos 05.07.1916 com Anna Augustin.

 2.3 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 26.02.1884 e batizada no mesmo lugar aos 21.04.1884, tendo como padrinhos Anton Zipperer e sua esposa Inez Breszinski. Foi casada no mesmo lugar aos 16.02.1901, conforme o registro religioso (p. 35) e civil (3C-178v), com o major Luiz de Vasconcellos, o prefeito-deputado de São Bento do Sul, nascido em Baturité, no Ceará, no dia 01.11.1874, filho de Antônio Pinto de Vasconcellos e Maria Jardelina, já falecida na ocasião. Luiz de Vasconcellos faleceu aos 05.05.1944. Maria Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 26.07.1960 (3FC-3), sendo sepultada no Cemitério Municipal.

(…)

2.4 Rodolfo Linzmeyer, casado com Maria ou Marietta da Rocha, natural do Paraná, filha de João Baptista da Rocha e Tibúrcia Ferreira. Pais de:

3.1 Edasina Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 19.08.1911 (16N-36).

3.2 Hercília Linzmeyer, falecida em Curitiba aos 23.09.2004.

3.3 Florisvaldo Linzmeyer, conferente, falecido em Curitiba aos 10.05.2007.

(…)

§ 2.º

1.2 Karl Linzmeyer, nascido em Eisentrasse aos 28.10.1855(?), casado religiosamente em São Bento do Sul aos 16.10.1878 com Anna Dums, filha dos imigrantes Johann Dums e Barbara Pflanzer, de Hammern, na Boêmia. Foram moradores na Estrada Dona Francisca. Karl Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 52 anos de idade no dia 16.12.1907 (3FC-185), sendo sepultado no cemitério da vila. Anna Dums faleceu em São Bento do Sul aos 25.10.1927 (7FC-68v), quando morava no Mato Preto, sendo sepultada no mesmo cemitério Tiveram:

2.1 João Linzmeyer, carreteiro e lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 05.11.1876 e batizado como filho natural no mesmo lugar aos 12.11.1876 . Foi casado civilmente no mesmo lugar aos 27 anos no dia 04.11.1903 (4C-88) com Bertha Ziemann, de 25 anos de idade, filha de João Ziemann e Ernestina. João Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 02.09.1950 (2FC-6). Sua esposa Bertha Ziemann faleceu no mesmo lugar aos 04.02.1951 (2FC-14v), sendo ambos sepultados no Cemitério Municipal. Pais de:

3.1 Maria Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 16.09.1903 (9N-58). Foi casada civilmente no mesmo lugar aos 17.11.1923 (10C-42) com José Kerscher, carroceiro, nascido em São Bento do Sul no dia 01.09.1897, residente em Oxford, filho de Josef Kerscher e Barbara Schierer, neto paterno de outro Josef Kerscher e Francisca Schmucker. José Kerscher faleceu em São Bento do Sul aos 26.09.1959 (2FC-276). Maria Linzmeyer faleceu no mesmo lugar aos 28.10.1978 (C1-127). Tiveram geração conforme o título Kerscher.

3.2 Hedwiges Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 04.12.1904 (21N-42). Foi casada civilmente na mesma cidade aos 24.04.1926 (10C-153) com Paulo Alvino Rudnick, nascido em São Bento do Sul aos 26.11.1903, residente na Estrada Dona Francisca, filho de Guilherme e Antonia Rudnick. Hedwiges Linzmeyer já era falecida em 1951, tendo seis filhos.

3.3 Rodolfo Linzmeyer, jornaleiro e carroceiro, nascido em São Bento do Sul aos 02.10.1906 (21N-47v). Casado civilmente no mesmo lugar aos … com Elsa Neumann, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 17.01.1907, residente em Oxford, filha de Otto e Herminia Neumann. Foram moradores da Rua Francisco Pauli 588. Elsa Neumann faleceu na mesma cidade aos 16.07.1985 (C2-160), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Rodolfo Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 29.11.1994 (C4-113), sendo sepultado no mesmo lugar.

(…)

§ 3.º

1.3 Johann Linzmeyer, carreteiro, nascido em Eisentrasse, casado em São Bento do Sul aos 28 anos de idade no dia 21.06.1888 com Therezia Konrad, de 20 anos de idade, nascida e batizada também em Eisentrasse, filha dos imigrantes Jacob Konrad e Clara Beil. O casal foi morador na Estrada Dona Francisca. Johann Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 28.09.1905, sendo sepultado no cemitério de sede de São Bento do Sul. Therezia Konrad faleceu em São Bento do Sul aos 12.02.1946 (1FC-211v), sendo sepultada no mesmo cemitério. Pais de:

2.1 Pedro Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 16.07.1889 (3N-93). Foi casado civilmente na mesma cidade aos 23.09.1916 (9C-17) com Frieda Rudnick,  doméstica, de 25 anos, filha de Guilherme Germano Rudnick e Antônia Scholze, neta paterna de Wilhelm Rudnick e Christine Luize Ernestine Bayer, e neta materna de João e Agnes Scholze.. Frieda Rudnick faleceu em São Bento do Sul aos 28.09.1954 (C2-112v), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Pedro Linzmeyer residia em Oxford quando faleceu na mesma cidade aos 21.05.1962 (3FC-44), sendo sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

3.1 Paula Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 18.10.1917 (17N-131). Faleceu no mesmo lugar aos 07.03.1928 (7FC-74), sendo sepultada no cemitério de São Bento do Sul.

 2.2 João Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 29.05.1891 (4aN-1v). Foi casado civilmente na mesma cidade aos 20.11.1912 (7C-247) com Maria Rosa Schröder, nascida possivelmente aos 04.06.1891, filha de Josef Schröder e Therezia Dums, imigrantes de Eisenstrasse, neta paterna de Maximilian Schröder e Katharina Gschwendtner, e neta materna de Johann Dums e Anna Maria Prantel. Residiam no bairro Lençol. Maria Rosa Schröder faleceu em São Bento do Sul aos 29.05.1969 (3FC-235v), sendo sepultada no Cemitério de Lençol. João Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 27.06.1971 (3FC-292), sendo sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

3.1 Maria Christina Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 26.01.1913 (16N-247). Foi casada civilmente na mesma cidade aos 21.04.1934 (1C-17) com Rodolfo Treml, sapateiro, industriário, nascido em São Bento do Sul aos 10.09.1911, filho de Jacob Treml e Maria Catharina Fendrich, neto paterno de outro Jacob Treml e Maria Böhm, e neto materno de Friedrich Fendrich e Katharina Zipperer. Rodolfo Treml faleceu no dia 06.02.1990 e foi sepultado no Cemitério Municipal de São Bento do Sul. Tiveram geração conforme o título Treml.

3.2 Lydia Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 22.01.1925 (20N-144). Foi casada civilmente em Rio Negrinho no dia 01.09.1945 (4C-174v) com José Preissler, alfaiate, nascido em São Bento do Sul no dia 08.02.1921, residente no lugar Lençol, filho de Carlos e Maria Preissler. José Preissler faleceu em São Bento do Sul aos 25.04.1994 (C4-67v).

 2.3 Francisco José Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 10.12.1892 (5aN-31) e falecido no mesmo lugar aos 03.03.1893 (2FC-147), sendo sepultado no cemitério público da vila de São Bento do Sul.

 2.4 Maria Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 20.12.1895. Foi casada civilmente na mesma cidade aos 25.02.1922 (9C-159) com Frederico Ernesto Paulo Heyse, negociante, nascido em São Bento do Sul aos 13.06.1893, residente no lugar Moema, em Itaiópolis, filha de Paul e Wanda Heyse. Frederico Ernesto Paulo Heyse faleceu em Mafra aos 1x.05.1962 (9FC-66). Maria Linzmeyer faleceu no mesmo lugar aos 10.08.1976 (2C-35), sendo sepultado no cemitério da cidade.

(…)

WOLFGANG LINZMEYER, operário e lavrador, natural de Eisenstrasse, na Boêmia, e que imigrou de Hammern aos 54 anos de idade na companhia da esposa Anna Theresia, de 47 anos, vindos pelo Humboldt, que partiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876. O casal se estabeleceu na Estrada Dona Francisca, em São Bento do Sul. No mesmo lugar, Wolfgang Linzmeyer faleceu aos 73 anos de idade no dia 06.02.1891 (2FC-85v), deixando a viúva e sendo sepultado no cemitério da sede da cidade. Não tiveram filhos.

GEORG LINZMEYER, lavrador, filho de Sebastian Linzmeyer e Anna Maria Stöberl, casado com Anna Maria Linzmeyer, provavelmente o mesmo que imigrou de Hammern, na Boêmia, aos 25 anos de idade, na companhia da esposa, com 24 anos, e da irmã Anna Linzmeyer, solteira, a bordo do Valparaíso, que partiu do porto de Hamburgo aos 19.06.1877 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 19.07.1877. Foram lavradores na Estrada dos Banhados. Georg Linzmeyer faleceu aos 66 anos na casa de seu filho de Carlos no dia 06.06.1917 (5FC-104v), sendo sepultado no cemitério da Vila. Anna Maria Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 70 anos de idade no dia 07.11.1920 (6FC-59), sendo sepultada no mesmo cemitério. Tiveram:

 2.1 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 24.08.1879 e batizada no mesmo lugar aos 31.08.1879, tendo como padrinhos Karl Rückl e Anna Maria Oberhoffer. Maria Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 23.07.1885, quatro dias após o seu irmão Jorge Linzmeyer.

2.2 Anna Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 29.09.1881 e batizada aos 08.11.1881, tendo como padrinhos Karl Rückl e sua esposa Anna Maria Oberhoffer. Casado civilmente na mesma cidade aos 23.10.1984 (5C-55) com Jakob Liebl, de 43 anos de idade, viúvo de Katharina Augustin, nascido em Hammern, na Boêmia, filho de Kasper Liebl e Anna Maria Muckenschnabel, já falecida. Anna Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 05.11.1949 (1FC-290). Tiveram geração conforme o título Liebl.

2.3 Jorge Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 27.05.1884 e batizado no dia 01.07.1884, tendo como padrinhos Karl Rückl e sua esposa Anna Maria Oberhoffer. Jorge Linzmeyer faleceu na Estrada dos Banhados aos 19.07.1885, sendo sepultado na sede de São Bento do Sul.

2.4 Carlos Linzmeyer, lavrador, residente na Estrada dos Banhados. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 27 anos de idade no dia  10.11.1913 (8C-14v) com Rosina Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 15.10.1889 (3N-120v), filha de Karl Linzmeyer e Anna Maria Linzmeyer, imigrantes de Hammern, neta paterna de Georg Linzmeyer e Anna Maria Rückl, e neta materna de Andreas Linzmeyer e Anna Maria Stahl. Rosina Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 27.05.1965 (3FC-118v). Carlos Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 30.06.1967 (3FC-179), sendo sepultado no mesmo cemitério. Carlos Linzmeyer teve duas enteadas, de nomes Hedwiges Linzmeyer, com 47 anos em 1967, e Regina Heinrich, com 43 anos em 1967.

2.5 Engelberto Linzmeyer, lavrador, nascido aos 21.12.1888 e batizado em São Bento do Sul aos 21.02.1889, tendo como padrinhos Karl Rückl e Anna Maria Oberhoffer. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 10.01.1914 com Maria Tauscher, de 18 anos de idade, filha de Kasper Tauscher, de Deschenitz, na Boêmia, e Therezia Czadek, de Petrowitz, também na Boêmia, neta paterna de outro Kasper Tauscher e Anna Maria Tauscheck, e neta materna de Karl Czadek e Klara Grosskopf. Tiveram ao menos:

3.1 Otto Linzmeyer, carpinteiro e pedreiro, nascido em Itaiópolis, e lá casado civilmente com Hilda Pscheidt. Otto Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 17.04.1978 (C1-102), sendo sepultado no Cemitério Municipal. 

(…)

ANDREAS LINZMEYER, operário, que imigrou de Hammern aos 60 anos de idade, já viúvo de Anna Maria Stahl, falecida em Hammern, tendo vindo a bordo do Bahia, que partiu do porto de Hamburgo aos 19.09.1877 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 21.10.1877. Com ele vieram os filhos Jakob (29), Clara (24), Therese (22), Anna (21) e Ferdinand Linzmeyer (16). Andreas Linzmeyer já era falecido em 1889. Com sua esposa, teve no total os seguintes filhos:

 1.1 Jakob Linzmeyer § 1.º

1.2  Josef Linzmeyer § 2.º

1.3 Clara Linzmeyer § 3.º

1.4 Andreas Linzmeyer § 4.º

1.5 Therese Linzmeyer § 5.º

1.6 Anna Maria Linzmeyer § 6.º

1.7 Ferdinand Linzmeyer § 7.º

§ 1.º

1.1 Jakob Linzmeyer

§ 2.º

1.2 Josef Linzmeyer, lavrador e moleiro, inspetor de quarteirão na Estrada dos Banhados, natural de Hammern, onde nasceu possivelmente em 1850. Imigrou ao Brasil antes da vinda de seu pai e irmãos, tendo embarcado no Valparaíso, que partiu do porto de Hamburgo aos 19.06.1877 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 19.07.1877. Contava então com 26 anos de idade, e na ocasião já estava casado com Barbara Schreiner, de 21 anos, também de Hammern, nascida possivelmente em 1855, filha de Lorenz Schreiner e Anna Maria Kirschbauer. Foram moradores na Estrada dos Banhados e tiveram:

 2.1 Clara Linzmeyer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 13.09.1877, tendo como padrinhos Josef Eckel e sua esposa Anna. Faleceu solteira no mesmo lugar aos 14.08.1953 (2FC-85v), sendo sepultada no Cemitério Municipal.

2.2 Antônio Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 25.10.1881 e batizado na mesma cidade aos 07.11.1881, tendo como padrinhos Anton Fürst e sua esposa Theresa Mühlbauer. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 12.06.1909 (6C-97v) com Catharina Gassner, de 20 anos de idade, filho de Josef Gassner e Philomena Hornick, neta paterna de Andreas Gassner e Anna Bohmann, e neta materna de Franz Hornick e Thereza Plötz. Viúvo, Antônio Linzmeyer voltou a se casar civilmente na mesma cidade aos 05.07.1916 (9C-9v) com Anna Augustin, de 20 anos, filha de Wolfgang e Francisca Augustin. Anna Augustin residia no lugar Salto quando faleceu, já em estado de viúva, em Campo Alegre aos 22.08.1968 (4FC-229v). Com sua primeira esposa, Antônio Linzmeyer teve:

3.1 Aloís Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 31.01.1915 (16N-728), residente no lugar Lageado. Casou-se civilmente em São Bento do Sul aos 18.02.1939 (1C-159) com Philomena Wojakiewicz, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 27.06.1914, residente à Estrada Wunderwald, filha de José e Cecília Wojakiewicz.

(…)

§ 4.º

1.4 Andreas Linzmeyer, natural de Hammern, lavrador, casado em São Bento do Sul aos 17.05.1879 com Anna Bail ou Bayerl, nascida em Silberberg no dia 12.09.1861, filha dos imigrantes Georg Bayerl e Elisabeth Achatz. Foram moradores na Estrada Wunderwald e depois passaram à cidade de Corupá, sendo os patriarcas da família deste sobrenome na cidade. Andreas Linzmeyer morava à Estrada Isabel quando faleceu em Corupá aos 74 anos de idade no dia 07.10.1930 (1FC-113v), sendo sepultado no cemitério da sede do lugar. Tiveram:

2.1 Carlos Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 11.09.1880 e batizado na mesma cidade aos 10.10.1880. Teve como padrinhos Karl Ehrl e Barbara Bail.

2.2 Bárbara Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 20.07.1883 e batizada no mesmo lugar aos 08.09.1883, tendo como padrinhos Karl Ehrl e Barbara Bail.

2.3 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 24.08.1884 e batizada no mesmo lugar aos 08.09.1884. Teve como padrinhos Karl Ehrl e Barbara Beil. Maria Linzmeyer faleceu na Estrada Wunderwald no dia 03.11.1884, sendo sepultado no cemitério da sede de São Bento do Sul.

 2.4 Eduardo Linzmeyer, natural de São Bento do Sul, residente no Rio Novo, em Corupá. Foi casado civilmente em Jaraguá do Sul com Anna Buchsteiner, natural da Alemanha, também residente no Rio Novo, filha de Engelberto e Guilhermina Buchsteiner. Tiveram:

 3.1 …

3.2 Ida Linzmeyer, nascida em Corupá aos 10.06.1917 (1N-71v).

3.3 Eduardo Linzmeyer, nascido em Corupá aos 18.03.1919 (1N-70v).

3.4 Ervin Linzmeyer, nascido em Corupá aos 16.05.1921 (2N-67).

2.5 André Linzmeyer, operário, nascido em São Bento do Sul aos 06.07.1889 (3N-70v). Foi casado civilmente em Jaraguá do Sul com Elsa Mayer, filha de Francisco Mayer e Joanna Hilgenstieler. Foram moradores no Ribeirão Correia, em Corupá. Tiveram:

 3.1 Affonso Linzmeyer, nascido em Corupá aos 28.08.1914 (2N-120). Foi casado civilmente em Jaraguá do Sul aos 25.01.1941(?) com Maria Eisching.

3.2 Hildegard Linzmeyer, nascida em Corupá aos 08.12.1916 (2N-120).

3.3 Wally Linzmeyer, nascida em Corupá aos 18.11.1918 (2N-120).

3.4 Elsa Linzmeyer, nascida em Corupá no dia 01.01.1922 (2N-120).

(…)

2.7 Rodolfo Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 07.12.1891 (5N-7). Foi casado civilmente em Jaraguá do Sul com Bertha Mayer, filha de Francisco Mayer e Joanna Hilgenstieler, com quem morou no Ribeirão Correia, em Corupá, com quem teve, ao que se sabe:

 3.1 Alvina Mayer, nascida em Corupá aos 21.12.1918 (2N-120v). Foi casada em Rio Negrinho aos 12.10.1942 com José Pedro de Lima.

3.2 Walter Linzmeyer, nascido em Corupá aos 22.07.1920 (2N-120v).

3.3 Waldemar Linzmeyer, nascido em Corupá aos 20.03.1921 (2N-120v).

(…)

KARL LINZMEYER, lavrador, natural de Hammern, na Boêmia, filho de Georg Linzmeyer e Anna Maria Rückl, ambos falecidos em Hammern. Foi casado também em Hammern com Anna Maria Linzmeyer, filha do imigrante Andreas Linzmeyer e de sua esposa Anna Maria Stahl. O casal morava na Estrada dos Banhados. Karl Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 20.04.1890 (2FC-62v), sendo sepultado na sede de São Bento do Sul. Anna Maria Linzmeyer faleceu na casa de Carlos Schreiner, no Mato Preto, em São Bento do Sul, aos 84 anos de idade no dia 30.03.1932 (7FC-150v), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Tiveram:

 1.1 Maria Linzmeyer § 1.º

 1.2  João Linzmeyer § 2.º

 1.3 Aloís Linzmeyer § 3.º

 1.4 Anna Linzmeyer § 4.º

 1.5 Rosina Linzmeyer § 5.º

§ 1.º

1.1 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 09.06.1881 e batizada no mesmo lugar aos 10.07.1881, tendo como padrinhos Georg Kollross e Therezia Müller. Foi casada civilmente em São Bento do Sul aos 06.11.1912 (7C-243) com Antônio Gassner, nascido no mesmo lugar aos 31.08.1881, filho de Josef Gassner e Philomena Hornick, neto paterno de Andreas Gassner e Anna Bohmann, e neto materno de Franz Hornick e Thereza Plötz. O casal residia no Mato Preto. Maria Linzmeyer faleceu no dia 11.12.1957 e foi sepultada no Cemitério Municipal. Tiveram geração conforme o título Gassner.

§ 2.º

1.2 João Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 04.08.1882 e batizado no mesmo lugar aos 28.08.1882, tendo como padrinho Johann Schreiner. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 17.08.1907 (6C-23) com Carlota Gruber, nascida em São Bento do Sul aos 12.08.1886, filha de Karl Gruber e Maria Firch, neta paterna de Jakob Gruber e Anna Maria Maurer, e neta materna de Carolina Firch. Foram moradores na Estrada dos Banhados e depois no Mato Preto e Fundão. João Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 08.06.1950 (1FC-299), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Sua esposa Carlota Gruber faleceu na mesma cidade aos 13.09.1956 (2FC-168), sendo sepultada no mesmo cemitério. Pais de:

 2.1 Anna Linzmeyer, com 49 anos em 1956.

 2.2 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 12.04.1910 (22N-136). Foi casada civilmente na mesma cidade aos 30.08.1930 (11C-104).

 2.3 Carlos Linzmeyer, operário e marceneiro, nascido em São Bento do Sul aos 12.09.1911 (16N-174), residente no distrito do Rio Preto. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 17.04.1937 (1C-112) com Maria Rückl, doméstica, nascida na mesma cidade aos 04.11.1913, residente na Estrada das Neves, filha de Carlos e Francisca Rückl. Carlos Linzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 19.06.1971 (3FC-296), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Maria Rückl faleceu no mesmo lugar no dia 01.07.1984 (C5-279). Foram pais de:

3.1 Leopoldo Linzmeyer, com 36 anos em 1971.

3.2 Lúcia Linzmeyer, costureira, nascida em Campo Alegre, residente à Rua Estevão Buschle 131, em São Bento do Sul. Faleceu solteira na mesma cidade aos 20.07.1977 (C1-64v), com 37 anos, seis meses e 14 dias, sendo sepultada no Cemitério Municipal.

3.3 João Carlos Linzmeyer, com 30 anos em 1971.

3.4 Vitor José Linzmeyer, com 29 anos em 1971.

3.5 Paulo Linzmeyer, com 27 anos em 1971.

3.6 Lourdes Linzmeyer, com 24 anos em 1971.

(…)

§ 3.º

 1.3 Aloís Linzmeyer, também chamado Aloísio Linzmeyer, ou ainda Luiz Linzmeyer, lavrador, com 5 anos em 1890, residente à Estrada dos Banhados. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 28 anos de idade no dia 13.08.1914 (8C-50) com Maria Augustin, de 21 anos, filha de Wolfgang Augustin, de Santa Katharina, na Boêmia, e Francisca Hornig, de Neukirchen, na Baviera, neta paterna de Franz Augustin e Anna Maria Altmann, e neta materna de Franz Hornig e Katharina Schmidt. Maria Augustin faleceu em São Bento do Sul aos 08.08.1952 (2FC-60), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Aloís Linzmeyer faleceu na mesma cidade aos 29.02.1960 (2FC-286v) e foi sepultado no mesmo cemitério. Tiveram:

2.1 Carlos Aloís Linzmeyer, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 23.05.1915 (16N-625), residente na Estrada dos Banhados. Foi casado civilmente na mesma cidade no dia 01.07.1939 (1C-169v) com Maria Schöffel, doméstica, nascida na Vila Deodoro, Paraná, aos 16.04.1916, filha de Rodolfo e Rosa Schöffel. Carlos Aloís LInzmeyer faleceu em São Bento do Sul aos 29.12.1943 (1FC-173), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Sua esposa contraiu novo matrimônio com João Müller.

(…)

FERDINAND LINZMEYER, lavrador, com 28 anos em 1889, filho de Jakob Linzmeyer e Barbara Rückl, ambos residentes na Boêmia, casado no lugar Bechelbronn, em São Bento do Sul, com Anna Marx, nascida em Eisenstrasse, na Boêmia, com 25 anos em 1889, filha dos imigrantes Franz Marx e Therezia Zelzer. Imigraram em ano e navios e desconhecidos. O casal morava na Estrada Saraiva. Tiveram:

1.1 João Linzmeyer § 1.º

1.2  Maria Linzmeyer § 2.º

1.3  … § 3.º

1.4  Carlos Linzmeyer § 4.º

1.5  Jorge Linzmeyer § 5.º

§ 1.º

1.1 João Linzmeyer, filho natural nascido em São Bento do Sul aos 19.06.1883 e batizado no mesmo lugar aos 21.06.1883, tendo como padrinhos João Müller e sua esposa Paulina. Foi casado em Rio Negro aos 26.06.1913 com Filomena Grossl.

§ 2.º

1.2 Maria Linzmeyer, nascida em São Bento do Sul aos 06.09.1884 e batizada no mesmo lugar aos 08.09.1884, tendo como padrinhos João Müller e sua esposa Paulina.

§ 3.º

1.3 …

§ 4.º

1.4 Carlos Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 08.02.1889 (3N-5v), e batizado no mesmo lugar, tendo como padrinhos Francisco Max e Johann Lobermeier.

§ 5.º

1.5 Jorge Linzmeyer, nascido em São Bento do Sul aos 30.06.1891 (4aN-9v).

Read Full Post »

Essa é uma mostra do trabalho sobre a Família Gschwendtner, a fazer parte da publicação “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”.

O patriarca dessa família é Georg Gschwendtner, casado com Francisca Reiel, uma das primeiras parteiras de São Bento do Sul. A família morou na Estrada Argolo, no centro da cidade, mas seus descendentes se espalharam: os de seu filho Benedikt se mudaram para Rio Negrinho; o filho Georg partiu para Lages; Michael permaneceu em São Bento, mas teve descendentes que passaram à Canoinhas, além de um que se mudou para Presidente Prudente; Francisco permaneceu em São Bento do Sul; Antônio teve descendentes que se mudaram para Curitiba; Josef e Ignácio parecem terem permanecido também em São Bento, mas depois de certo tempo somem os registros de suas famílias na cidade;  Wenzel e Luiz, filhos sobre os quais não se tem ainda nenhuma notícia do paradeiro.

Dúvidas ou acréscimos, por favor entre em contato nos comentários.

 

GEORG GSCHWENDTNER, lavrador, que participou em 1859 da Segunda Guerra de Independência Italiana, travada pela França de Napoleão III e pelo Reino de Sardenha contra o Império Austríaco. Filho de Anton Gschwendtner e Anna Rausch. Imigrou ao Brasil aos 41 anos de idade, partindo de Flecken, na Boêmia, na companhia da esposa Francisca Reiel ou Schmidt (32 anos) e os filhos Benedict (9), Georg (5) e Josef (4), além do afilhado Benedikt Bail, a bordo do navio Shakespeare, que saiu do porto de Hamburgo, na Alemanha, 20.09.1874 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.09.1874, de lá a família se encaminhando para a Colônia de São Bento, onde Georg recebeu um dos primeiros terrenos na Estrada Argolo. Georg Gschwendtner faleceu em São Bento do Sul aos 28.09.1909 (4FC-25), contando com 77 anos de idade, sendo sepultado na sede da cidade. Sua esposa Francisca Reiel, filha de Anton Reiel e Katharina Schmidt, foi uma das primeiras parteiras de São Bento e faleceu na mesma cidade aos 89 anos no dia 20.10.1926 (7FC-50), sendo sepultada no cemitério público da vila. Tiveram a seguinte descendência:

1.1 Benedict Gschwendtner § 1.º

1.2 Georg Gschwendtner § 2.º

1.3 Josef Gschwendtner § 3.º

1.4 Wenzel Gschwendtner § 4.º

1.5 Michael Gschwendtner § 5.º

1.6 Luiz Gschwendtner § 6.º

1.7 Francisco Xavier Gschwendtner § 7.º

1.8 Antônio Gschwendtner § 8.º

1.9 Ignácio Gschwendtner § 9.º

§ 1.º

1.1 Benedict Gschwendtner, lavrador e carreteiro, natural de Eisenstein, na Boêmia, casado religiosamente em São Bento do Sul aos 26 anos de idade no dia 19.04.1893 com Katharina Kautnick, natural de Hammern, filha de Wenzel Kautnick e Katharina Frank, neta paterna de Mathias Kautnick e Anna Schweida, e neta materna de Martim Frank e Anna Koller. Benedict Gschwendtner faleceu aos 56 anos na casa de sua mãe, na Avenida Argolo, aos 05.11.1920 (6FC-58), sendo sepultado no cemitério da Vila. Foram pais de:

2.1 Katharina Gschwendtner, ou Katharina Kautnick, nascida em São Bento do Sul aos 14.04.1892 (5N-90). Casou-se com seu tio Ignácio Gschwendtner, § 9.º deste título, e lá segue a sua geração.

2.2 Maria Gschwendtner, falecida em São Bento do Sul aos 15 anos de idade no dia 14.01.1910 (4FC-36), sendo sepultada no Cemtério da Vila.

 2.3 Benedicto Gschwendtner, nascido em São Bento do Sul aos 28.01.1897 (7N-72) e falecido no mesmo lugar aos 09.04.1898 (3FC-34v).

 2.4 José Gschwendtner, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 30.03.1899 (8N-10)1, residente no lugar Rio dos Bugres, em Rio Negrinho. Faleceu solteiro em São Bento do Sul aos 19.11.1951 (2FC-37v), sendo sepultado no Cemitério de Rio Negrinho.

2.5 Benedicto Gschwendtner, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 16.09.1901 (8N-156), residente no lugar Rio dos Bugres. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 07.02.1925 (10C-100) com Josefa Huber, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 24.03.1907, também residente no Rio dos Bugrs, filha de Jorge e Bertha Huber.

2.6 Bertha Gschwendtner, nascida em São Bento do Sul aos 17.04.1904 (10N-1).

(…)

§ 2.º

1.2 Georg Gschwendtner, marceneiro, mudou-se para a cidade de Lages, e lá explorou a arte fotográfica.

§ 3.º

1.3 Josef Gschwendtner, lavrador, líder da Banda Gschwendtner, na Estrada dos Bugres, natural da Boêmia, casado civilmente em São Bento do Sul aos 14.12.1902 (4C-55v) com com Anna Kautnick, nascida na mesma cidade aos 25.11.1882, filha de Wenzel Kautnick e Katharina Frank, neta paterna de Mathias Kautnick e Anna Schweida, e neta materna de Martim Frank e Anna Koller. Pais de:

2.1 Maria Gschwendtner, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 12.02.1901, residente na Rua João Hastreiter. Faleceu solteira em São Bento do Sul aos 24.12.1973 (4FC-77v), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Teve dois filhos naturais:

 3.1 Alfredo Schwendner, com 50 anos em 1973.

 3.2 Lauro Schwendner, com 43 anos em 1973.

2.2 José Gschwendtner, nascido em São Bento do Sul aos 19.07.1902 (8N-191). Provavelmente é o mesmo José Schwendner residente à Estrada dos Bugres, casado com Emília Tascheck, doméstica, natural de São Bento do Sul, filha de José Tascheck e Agnes Bachel. Emília Tascheck faleceu na mesma cidade aos 09.04.1976 (C1-12), com 69 anos e 22 dias de idade, sendo sepultada no Cemitério da Estrada dos Bugres. Tiveram um filho natural conforme consta no título Tascheck.

(…)

§ 4.º

1.4 Wenzel Gschwendtner

§ 5.º

1.5 Michael Gschwendtner, oleiro e tijoleiro, nascido a bordo do Shakespeare no dia 29.09.1874, residente à Estrada Argolo. Casou-se civilmente na mesma cidade aos 06.05.1899 (3C-114) com Maria Goertler, de 22 anos de idade, natural da Alemanha, filha de Franz e Mathilde Goertler. Michael Gschwendtner faleceu em São Bento do Sul aos 25.06.1953 (2FC-80), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Maria Goertler faleceu na mesma cidade aos 26.10.1957 (2FC-204v) e foi sepultada no mesmo cemitério. Foram pais de:

 2.1 Luiz Gschwendtner, ou Luiz Goertler, nascido em São Bento do Sul como filho natural aos 26.02.1899 (8N-5v). Foi casado com Olinda Garcia. Mudou-se para Presidente Prudente.

2.2 Clara Gschwendtner, doméstica e lavradora, nascida em São Bento do Sul aos 17.04.1900 (8N-74v). Casou-se civilmente na mesma cidade aos 18.11.1922 (9C-186v) com Amandus Muehlmann, lavrador, nascido em Campo Alegre aos 23.10.1896, residente no lugar Rio Vermelho, filho de Gustav e Maria Mühlmann. Clara Gschwendtner faleceu em Canoinhas, já em estado de viúva, aos 06.01.1978 (C1-223v), sendo sepultada no cemitério do lugar São João dos Cavalheiros, onde residia. Tiveram:

3.1 Lucilla Muelhmann

3.2 Irene Muehlmann

3.3 Celicita(?) Adélia Muehlmann

3.4 Amilton Vicente Muehlmann

2.3 Maria Gschwendtner, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 20.02.1902 (9N-9). Casou-se civilmente na mesma cidade aos 09.02.1924 (10C-55v) com Eurico Artur Kaesemodel, industrial, nascido em São Bento do Sul aos 13.09.1900, residente no lugar Lageado, em Piên, filho de Otto e Ida Olga Kaesemodel. O casal foi morador no Campo da Água Verde, em Canoinhas. Maria Gschwendtner faleceu em Canoinhas, já em estado de viúva, aos 15.08.1986 (C4-2v), sendo sepultada no Cemitério Municipal do lugar. Tiveram:

 3.1 Ezílio Kaesemodel

 3.2 Vera Kaesemodel

 3.3 Erica Kaesemodel

2.4 Paulo Gschwendtner, empregado no comércio, nascido em São Bento do Sul aos 05.02.1905 e falecido solteiro no mesmo lugar aos 08.09.1939 (1FC-89), sendo sepultado no Cemitério Municipal.

2.5 Clemente Gschwendtner, negociante, residente no lugar Campinas, em Piên, falecido solteiro em São Bento do Sul aos 33 anos, três meses e 14 dias de idade no dia 19.05.1938 (1FC-65v), sendo sepultado no Cemitério Municipal.

 2.6 João Gschwendtner, servente, nascido em São Bento do Sul aos 23.10.1906 (12N-27v), e que se mudou para Canoinhas. Lá, casou-se ou apenas teve relacionamento. Faleceu em Canoinhas aos 13.03.1972 (fl 272), sendo sepultado no cemitério local. Teve oito filhos, dos quais três eram menores em 1972. 

(…)

§ 7.º

 1.7 Francisco Xavier Gschwendtner, ou apenas Francisco Gschwendtner, carreteiro, nascido aos 10.08.1880 e batizado em São Bento do Sul aos 10.10.1880, tendo como padrinhos Franz Pöschl e sua esposa Barbara. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 13.08.1904 (5C-36) com Catharina Stöberl, nascida em São Bento do Sul aos 04.04.1883, filha de Franz Stöberl e Katharina Frisch, neta paterna de Maria Stöberl e neta materna de Margaretha Frisch. Catharina Stöberl faleceu em São Bento do Sul no dia 29.05.1933 (7FC-264) e foi sepultada no Cemitério Municipal. Francisco Gschwendtner faleceu no mesmo lugar aos 21.10.1936 (1FC-40v), sendo sepultado no mesmo cemitério. Tiveram:

 2.1 Paulo Gschwendtner, com 30 anos em 1933.

 2.2 João Gschwendtner, nascido em São Bento do Sul aos 17.12.1904 (10N-46).

 2.3 Francisco Gschwendtner, operário, nascido em São Bento do Sul aos 30.03.1907 (12N-56), residente na Estrara Argolo. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 08.11.1930 (11C-112v) com Elga Monich, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 25.10.1909, residente na Estrada Dona Francisca, filha de Ricardo e Anna Monich. Elga Monich faleceu em São Bento do Sul aos 14.09.1952 (2FC-62), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Francisco Gschwendtner voltou a se casar civilmente na mesma cidade aos 27.09.1958 (4C-96v) com Bárbara Oszika. Francisco Gschwendtner faleceu em São Bento do Sul aos 18.10.1962 (3FC-53v) e também foi sepultado no Cemitério Municipal. Com Elga Monich teve:

3.1 Herberto Gschwendtner, com 27 anos em 1962. Foi casado civilmente em São Bento do Sul com Lina Eckstein, doméstica, nascida no mesmo lugar, filho de Pedro e Clara Eckstein, e com quem morava no Campo Lençol. Lina Eckstein faleceu em São Bento do Sul aos 11.10.1980 (C1-230v), sendo sepultada no cemitério de Lençol. 

(…)

 

Read Full Post »

Foram várias as famílias Bail/Bayerl que imigraram para São Bento do Sul, assim como foram várias as formas utilizadas por padres e escrivães para escrever o sobrenome. Neste título, estão presentes famílias que foram registradas como Bail, Beil, Bayerl, Beyerl, Baier, Bayer e mesmo Peyerl, que em registros civis também aparece como Bayerl. Aqui, em geral foi adotada a grafia correspondente ao registro de cada pessoa, com alterações apenas para algumas que, aparentemente, usaram grafia diversa da registrada. É possível que tenha havido variações ao longo das gerações.

A mais antiga dessas famílias é a de Benedikt Bail, famoso por ter sido o noivo do primeiro casamento boêmio de São Bento – e que foi também o primeiro casamento do centro de São Bento. O casamento de Benedikt com Anna Maria Neppel, contrariado pelos pais da noiva, não deixou, no entanto, descendentes. Os filhos de Benedikt com sua segunda esposa Katharina Brandl nasceram todos em São Bento do Sul, e depois começaram a se espalhar pela região.

Aloís Bail foi morador no Fundão. Benedicto Bail, o filho, esteve em Piên e depois no lugar Avencal, em Rio Preto. Também teve descendentes em Rio Negrinho. José Bail foi morador no lugar Pangaré, em Quitandinha, e teve descendentes em Piên e Agudos do Sul.  Já a família de Engelberto Bail se estabeleceu em Rio Negrinho, com grande descendência. Carlos Bail e Catharina Bail foram moradores no lugar Campinas dos Crispim, em Piên. Paulo e Rodolfo Bail também se fixaram em Rio Negrinho, cidade que parece contar com o maior número de descendentes do imigrante Benedikt Bail na região, identificáveis até os nossos dias.  

No mesmo navio que trouxe Benedikt Bail em 1874, o Shakespeare, veio também Georg Bayerl, casado com Elisabeth Achatz. Ao que parece, a maior parte dos descendentes desse casal permaneceu em São Bento do Sul, especialmente na Estrada Wunderwald.

O Shakespeare também trouxe Johann Baptista Baier, casado com Francisca Weissl. Esses não parecem ter permanecido em São Bento, e talvez tenham falecido em Joinvile. Seus descendentes se fixaram no lugar Lageado, em Piên. De lá, alguns partiram anos mais tarde para Rio Negrinho.

Em 1876, pelo Humboldt, imigrou Jakob Bayerl, ou Beil, casado com Anna Hilgardt. Esta família se estabeleceu no bairro Lençol, em São Bento do Sul.  Alguns descendentes permaneceram na mesma cidade e outros foram para Rio Negrinho.

Pelo Santos, em 1877, imigrou a família de Josef Bayerl, casado com Anna Schmidt. No ano de 1891, eles moravam na Estrada dos Banhados, em São Bento do Sul, e a partir de então não foram encontrados registros do destino que seus descendentes possam ter tido.

Anton Peyerl, casado com Margareth, imigraram pelo Montevideo, em 1879. Ao que tudo indica, se estabeleceram na Estrada Bismarck, em São Bento do Sul, com a maior parte dos descendentes permanecendo na cidade, e alguns indo para Campo Alegre e Rio Negrinho.

E, por fim, a família de Anton Bayerl e Katharina Meidlinger, que imigrou apenas em 1891, a bordo do Argentina, tendo se estabelecido na Estrada dos Banhados, onde também viveu grande parte dos seus descendentes.

.

Eis um esboço do trabalho genealógico feito sobre essas famílias, e que faz parte do projeto “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”.  Se você é descendente, por favor entre em contato para trocarmos mais informações sobre a sua história familiar.

.

BENEDIKT BAIL, ou ainda Beyerl, lavrador, noivo do primeiro casamento boêmio de São Bento do Sul, membro da Sociedade Auxiliadora Austro-húngara. Era filho natural de Peter Haden ou Hader e Maria Bail, tendo nascido em Holschlag ou em Haidl e recebido batismo católico em Gutwasser, na Boêmia. Ficou órfão cedo. Era afilhado de Georg Gschwendtner, que o trouxe ao Brasil. Ainda bastante jovem, Benedikt arrumou emprego como aprendiz na marcenaria do bávaro Georg Neppel, em Haidl Am Horngerg, atuah Zhurí, na Boêmia, e que estava sendo bastante solicitado para ajudar na reconstrução de casas, após um grande vendaval que atingiu a região em 1868. Trabalhando nessa marcenaria, Benedikt veio a se interessar por Anna Maria Neppel, filha do seu patrão e de Franziska Hofbauer, e que era um pouco mais velha do que ele. A aproximação não foi vista com bons olhos por Georg, que teria tratado então de despedi-lo. Em 1874, Benedikt decidiu acompanhar a imigração da famíila Gschwendtner, tendo embarco no navio Shakespeare, que saiu de Hamburgo aos 20.09.1874 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.11.1874. Em seguida, encaminhou-se para São Bento do Sul, onde Benedikt comprou um lote naquela que seria a Avenida Argolo, onde hoje é a Rua Antônio Hilgenstieler. Em 1876, a família Neppel também decidiu imigrar ao Brasil, tendo vindo a bordo do navio Humbolt, que partiu da Alemanha aos 15.04.1876 e chegou em São Francisco do Sul aos 11.06.1876. De alguma forma, Benedikt ficou sabendo que Anna Maria estava vindo ao Brasil. Os dois parecem ter mantido o interesse mútuo, apesar da distância. A hipótese das cartas entre os dois encontra alguma dificuldade em ser aceita, pelo reduzido número de navios no intervalo entre as duas imigrações, além da existência de apenas um telégrafo, bastante precário, em São Francisco do Sul. Tendo havido realmente cartas entre os dois, é possível que não tenham sido escritas por Benedikt, que possivelmente não sabia escrever. De um jeito ou de outro, Benedikt partiu para encontrá-la. É singular que os pais de Anna Maria, mesmo sendo contrários ao relacionamento, tenham escolhido imigrar justamente para o lugar em que Benedikt morava. Ao se encontrarem novamente, depois de algum tempo de separação, os dois decidiram passar por cima da proibição dos pais de Anna Maria, e ainda em Joinville contrataram o casamento para algum tempo depois, quando o pároco faria uma visita a São Bento. Como esse seria o primeiro casamento entre boêmios e bávaros realizado em São Bento, a cidade se empenhou nos preparativos, tendo inclusive organizado uma banda de música, a Kapelle Augustin, primeiro grupo musical da cidade. Ao que parece, não houve muita resistência da sociedade local diante do fato que o casamento que organizaram aconteceria contra a vontade dos pais da noiva.  E o casamento realmente ocorreu, no dia 10.08.1876, dois meses após a chegada de Anna Maria, e sem que os pais da noiva aparecessem na celebração. O terno de Benedikt para este dia foi emprestado de Josef Augustin, pois ele mesmo não tinha um e tampouco havia condições de arrumar um em tempo hábil. A festa começou ainda pela manhã, na casa de Franz Pöschl, cunhado de Benedikt, tendo em seguida os noivos e convidados caminhado cerca de dois quilômetros até a igreja, onde aconteceu a celebração. Ao término desta, partiram para o almoço, no hotel e restaurante de Georg Bayerl, e continuaram a festa ao longo do dia com tradições e danças típicas da Boêmia. Aparentemente, o casal não teve filhos, pois nenhum registro foi encontrado. Não sabemos se os pais de Anna Maria passaram a aceitar o casamento da filha mais tarde. Tudo indica, no entanto, que Benedikt mantinha boas relações com seus cunhados, sendo inclusive testemunha dos seus casamentos no Brasil. Anna Maria Neppel faleceu menos de 10 anos depois de casar, aos 29.09.1885, vítima de tifo, sendo sepultada no antigo cemitério de São Bento, não mais existente. Benedikt Bail voltou a se casar em São Bento alguns meses depois, aos 10.02.1886, com Katharina Brandl, doméstica, nascida em Eisentrasse, na Boêmia, aos 21.03.1865, e que havia imigrado no mesmo navio que ele, filha de Josef Brandl e Anna Schweindfurter, neta paterna de Michael Brandl e Margaretha Mundl. Com Katharina, Benedikt teve 11 filhos. Katharina Brandl faleceu em sua casa na Avenida Argolo aos 04.02.1911, sendo sepultada no Cemitério Municipal. Benedikt Bail faleceu na mesma cidade no dia 24.02.1928 (7FC-73) e foi sepultado no mesmo cemitério. Com sua segunda esposa, Benedikt Bail teve:

 1.1 Thereza Bail § 1.º

 1.2 Aloís Bail § 2.º

1.3 Benedito Bail § 3.º

1.4 José Bail § 4.º

1.5 Engelberto Bail § 5.º

1.6 Carlos Bail § 6.º

1.7 Catharina Bail § 7.º

1.8 Pedro Bail § 8.º

1.9 Paulo Bail § 9.º

1.10 Maria Bail § 10.º

1.11 Rodolfo Bail § 11.º

§ 1.º

1.1 Thereza Bail, casada civilmente em São Bento do Sul aos 23 anos de idade no dia 29.09.1909 (7C-9) com Engelberto Boechler, ou Bechler, nascido na mesma cidade aos 26.03.1877, filho de Georg Boechler, de Flecken, e sua segunda esposa Anna Maria Modl, de Glasshütte, neto paterno de Johann Boechler e Anna Linzmeyer. Thereza Bail faleceu em São Bento do Sul aos 14.02.1970 (3FC-252). Tiveram geração conforme o título Boechler.

§ 2.º

1.2 Aloís Bail, também chamado Luiz Bail, lavrador, casado civilmente em São Bento do Sul, onde nasceu, aos 26 anos de idade no dia 14.11.1914 (8C-60) com Francisca Fleischmann, nascida e residente no mesmo lugar, filha de Carlos e Anna Maria Fleischmann. Aloís Bail residia no Fundão e faleceu, já em estado de viúvo, na casa do filho Carlos, no bairro Mato Preto, em São Bento do Sul, aos 16.10.1970 (3FC-274v), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Tiveram:

2.1 Catharina Bail, nascida em São Bento do Sul aos 19.04.1915 (16N-609) e falecida na mesma cidade aos 20.01.1916 (5FC-22), sendo sepultada no cemitério da Vila.

 2.2 Frida Bail, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 17.08.1916 (17N-32v). Foi casada civilmente na mesma cidade aos 03.07.1937 (1C-120) com Alexandre Binner, lavrador e industriário, nascido em São Bento do Sul aos 10.03.1916, residente no bairro Mato Preto, filho de Augusto e Emma Binner. Alexandre Binner faleceu em São Bento do Sul aos 20.02.1980 (C1-196v), sendo sepultado no Cemitério de Lençol. Tiveram:

 3.1 Aristides Binner, com 44 anos em 1980.

3.2 Ingrid Binner, com 42 anos em 1980.

3.3 Ingo Binner, com 38 anos em 1980.

(…)

2.3 Alfredo Bail, com 56 anos em 1970.

2.4 Luiza Bail, com 55 anos em 1970.

 2.5 Thereza Bail, nascida em São Bento do Sul aos 08.03.1916 (17N-160v). Faleceu na mesma cidade aos 12.04.1934 (7FC-194), sendo sepultada no cemitério da vila.

 2.6 Carlos Bail, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 30.05.1920 (18N-128), residente no lugar Corredeiras, em Campo Alegre. Casou-se civilmente em Piên aos 25.05.1946 (4B-134) com Elli Müller, dona de casa, nascida em Piên aos 25.05.1920, residente no lugar Poço Frio, filha de Rodolfo Müller e Maria Tauscher. Foram moradores no Fundão, em São Bento do Sul. Elli Müller faleceu em São Bento do Sul aos 31.10.1991 (C3-216), sendo sepultada no Cemitério Municipal. Pais de:

 3.1 Ermelinda Bail, com 45 anos em 1991.

(…)

 

*

GEORG BAYERL, ou Bail, comerciante, que imigrou aos 42 anos de Silberberg, na Boêmia, a bordo do Shakespeare, que zarpou do porto de Hamburgo no dia 20.09.1874 e chegou ao porto de São Francisco do Sul no dia 11.11.1874. Trouxe consigo a esposa Elisabeth Achatz, natural da aldeia de Santa Katharina, com 40 anos na ocasião, e que faleceu na Estrada Wunderwald, em São Bento do Sul, já em estado de viúva, aos 74 anos de idade no dia 10.04.1909 (4FC-5). Foi sepultada na sede de São Bento. Georg Bayerl faleceu antes de 1889. Foram pais de:

1.1    Barbara Bayerl § 1.º

1.2    Anna Bayerl § 2.º

1.3    Karl Bayerl § 3.º

1.4    Franziska Bayerl § 4.º

§ 1.º

1.1 Barbara Bayerl, natural de Silberberg e batizada em Putzerriet. Imigrou aos 16 anos. Foi casada em São Bento do Sul no dia 09.07.1879 com Carl Ehrl, lavrador, nascido em Hammern, filho de Georg Ehrl e Catharina Ruckl. Barbara faleceu na sua casa, na Estrada das Neves, aos 29 anos no dia 05.07.1888, vítima de gangrena pulmonar, tendo sido sepultada no cemitério da sede de São Bento. Seu esposo faleceu na mesma cidade no dia 18.11.1944, aos 88 anos. O casal teve geração conforme o título Ehrl.

§ 2.º

1.2 Anna Bayerl, nascida em Silberberg no dia 12.09.1861, tendo sido batizada em Putzerriet. Casou-se com Andreas Linzmeyer, de Hammern, filho de outro Andreas Linzmeyer e de Anna Maria Stahl. Tiveram geração conforme o título Linzmeyer. 

§ 3.º

1.3 Karl Bayerl, lavrador, nascido em Silberberg e batizado em Putzerriet. Imigrou aos 6 anos. Casou-se em São Bento do Sul no dia 20.02.1889, aos 21 anos, com Maria Eckstein, doméstica, de nascida em Ritzenried aos 07.02.1871 e batizada em Eschlkam, na Bavária, filha de Franz Xavier Eckstein e Maria Kirschbauer, neta paterna de Anna Eckstein e neta materna de Kasper Kirschbauer e Thereza Rippel. Karl Bayerl faleceu aos 16.09.1932. Maria Eckstein faleceu em São Bento do Sul no dia 01.04.1957 (2FC-185v), em sua casa na Rua Capitão Ernesto Nunes, e foi sepultada no Cemitério Municipal. Moravam na Estrada Wunderwald e foram pais de:

2.1 uma filha nascida em São Bento do Sul aos 31.01.1890 (3N-160).

2.2 Francisco Bayerl, com 67 anos em 1957.

2.3 Bárbara Bayerl, nascida em São Bento do Sul aos 13.01.1892 (5N-25).

2.4 Maria Bayerl, nascida em São Bento do Sul aos 26.09.1896 (7N-45).

2.5 Carlos Bayerl, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 28.09.1899 (8N-26v), residente na Estrada Wunderwald. Casou-se na mesma cidade aos 29.04.1933 (11C-179) com Martha Hillebrandt, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 05.08.1907, filha de João e Barbara Hillebrandt, residente na Estrada Bismarck. Carlos Bayerl morava com sua esposa nos fundos da Rua Henrique Schwarz quando faleceu em São Bento do Sul aos 04.12.1979 (C1-185), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Foram pais de:

3.1 Maria Bayerl, com 44 anos em 1979.

(…)

*

JOHANN BAPTIST BAIER, lavrador, filho de Veit Baier e Barbara Schreier, casado com Franziska Weissl, filha de Anton Weissl e Catharina Beil. Imigrou aos 35 anos de Baden, na Bavária, na companhia da esposa, que possuía 27 anos, e seus filhos, a bordo do Shakespeare, que partiu do porto de Hamburgo no dia 20.09.1874 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.11.1874. Teriam falecido em Joinville. Foram pais de:

1.1   Franziska Baier § 1.º

1.2   Theresia Baier § 2.º

1.3   Johann Baier § 3.º

1.4   Anna Bayer § 4.º

1.5   Aloís Bayer § 5.º

§ 1.º

1.1 Franziska Baier 

§ 2.º

1.2 Theresa Baier, nascida em Lam, na Baviera, e casada religiosamente em São Bento do Sul aos 16 anos no dia 19.11.1884 com Aloys Neppel, com 24 anos de idade, nascido em Sommerau e batizado em Lam, na Baviera, filho de Georg Neppel e Francisca Hofbauer. Tiveram geração conforme o título Neppel. Viúva, Theresa Baier casou-se religiosamente em São Bento do Sul aos 19.07.1893 (5C-4) com Carl Czadek, viúvo de Clara Grosskopof, de 50 anos de idade, natural de Janowitz, na Boêmia, filho de Johann Czadek e Anna Maria Kollross. Ao que parece, é a mesma Theresa Baier que, na condição de viúva, e com apenas 45 anos declarados, aparece se casando civilmente em Piên aos 29.09.1928 (2C-150) com Francisco Hella, nascido aos 20.07.1881, residente em Piên, filho de Francisco e Paulina Hella. Theresa Baier aparece como mãe de um filho natural que, ao que tudo indica, era de Carl Czadek:

2.1 José Baier, nascido em São Bento do Sul aos 24.02.1899 (7N-200v). Foi casado civilmente no lugar Lageado, em Piên, aos 14.05.1928 (2C-140v) com Rosa Maria Wotrobra de Lima, doméstica, nascida aos 24.02.1905, filha de Franz Wotroba e Ledobina(?) Maria de Lima.

Theresa Baier e Francisco Hella tiveram:

2.2 Anastácia Hella, com 24 anos em 1928.

2.3 Maria Hella, com 22 anos em 1928.

2.4 Francisco Hella, com 20 anos em 1928.

2.5 João Hella, com 18 anos em 1928.

2.6 Rosalia Hella, com 17 anos em 1928.

§ 3.º

1.3 Johann Baier, ou Bayer, lavrador, natural de Lam, na Bavária, e que imigrou com os pais com um ano e meio de idade. Foi morador na Estrada Paraná, em São Bento do Sul, e depois do lugar Lageado, em Piên. Casado religiosanente na mesma cidade aos 02.10.1895 (5C-43), de 22 anos, e civilmente apenas aos 11.08.1906 (5C-176) com Anna Pankratz, nascida em São Bento do Sul aos 27.12.1876, filha de Georg Pankratz e Maria Schiessl, neta paterna de outro Georg Pankratz e Maria Neumaier, e neta materna de Theresia Nagels. Foram moradores do lugar Lageado dos Vieira, em Piên. Anna Pankratz faleceu em Piên aos 04.06.1946 (3FC-68v), sendo sepultada no Cemitério de Lageado dos Vieira. Johann Bayer faleceu na mesma cidade aos 08.05.1949 (3FC-139), sendo sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

2.1 João Bayer, seleiro nascido em São Bento do Sul aos 29.06.1896 (7-22v) residente no lugar Lageado, em Piên. Casou-se civilmente em São Bento do Sul aos 15.02.1930 (11C-77v) com Augusta Schroder, doméstica, nascida na mesma cidade aos 28.07.1907, residente na Estrada do Paraná, filha de Francisco e Catharina Schroder. Augusta Schroeder faleceu já em estado de viúva no Lageado dos Vieira, em Rio Negro, aos 29.04.1986 (C3-267v), sendo sepultada no cemitério do lugar. Foram pais de:

3.1 Eliberto Bayer

3.2 Roberto Bayer

(…)

*

JAKOB BAYERL, ou Beil, lavrador, natural de Eisenstrasse, na Boêmia, filho de Andreas Bayerl e Catharina Treml, ambos falecidos no mesmo lugar antes de 1879. Casou-se também em Eisentrasse com Anna Hilgardt, filha de Josef Hilgardt, lavrador, e Barbara Hoffmann, também já falecidos em 1879. Imigrou ao Brasil com 37 anos na companhia da esposa, de 35, e seus filhos a bordo do Humboldt, que partiu do porto de Hamburgo no dia 15.04.1876 e chegou em São Francisco do Sul no dia 11.06.1876. Trouxeram consigo três filhos. A família morou na Estrada Dona Francisca. Anna Hilgardt faleceu no dia 06.05.1910 (4FC-49), aos 73 anos, e foi sepultada no Cemitério de Lençol. Jakob Bayerl faleceu aos 83 anos no dia 15.07.1921 (6FC-87) e foi sepultado no mesmo cemitério. Tiveram:

1.1   Josefa Bayerl § 1.º

1.2   Anna Bayerl § 2.º

1.3   Maria Bayerl § 3.º

1.4   Jakob Bayerl § 4.º

1.5   Josef Bayerl § 5.º

1.6   Pedro Bayerl § 6.º

1.7   João Bayerl § 7.º

§ 1.º

1.1 Josefa Bayerl, imigrou na companhia dos pais aos 9 anos de idade. Faleceu solteira em São Bento do Sul aos 36 anos no dia 20.12.1891 (3FC-96). 

§ 2.º

1.2 Anna Bayerl, nascida em Eisenstrasse, na Boêmia. 

§ 3.º

1.3 Maria Beil, lavradora e doméstica, nascida em Eisentrasse em fevereiro de ano incerto. Imigrou ao Brasil na companhia dos pais e irmãos mais velhos. Casou-se religiosamente em São Bento do Sul aos 08.10.1892 e civilmente aos 26.03.1893 (2C-164) com Josef Grossl, carroceiro, de 23 anos de idade, nascido também em Eisentrasse, filho de Kasper Grossl e Barbara Bangerl. Maria Beil faleceu no lugar Campina do Tigre, em Rio Negrinho no dia 26.10.1949, aos 78 anos de idade. Tiveram geração conforme o título Grossl.

§ 4.º

1.4 Jakob Bayerl, que talvez seja o mesmo que teve:

2.1  Francisco Bayerl, falecido em São Bento do Sul aos 5 dias de idade no dia 27.07.1906 (3FC-161)

§ 5.º

1.5 Josef Bayerl, lavrador, nascido e batizado em Eisenstrasse, na Boêmia, e casado religiosamente em São Bento do Sul aos 21 anos no dia 13.11.1897 (4C-78) e civilmente no dia 09.02.1907 (6C-6v) com Barbara Grosskopf, com 26 anos em 1907, nascida em Glasshütte e batizada em Neuern, na Boêmia, filha de Franz Grosskopf e Barbara Seidel. Foram moradores no bairro Lençol, em São Bento do Sul. Josef Bayerl faleceu na mesma cidade aos 02.03.1938 (8FC-62), sendo sepultada no Cemitério de Lençol. Barbara Grosskopf faleceu na mesma cidade aos 19.07.1969 (3FC-238v) e foi sepultada no mesmo cemitério. Pais de:

2.1 José Bail, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 19.03.1898 (7N-130), residente no bairro Lençol. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 25.10.1924 (10C-87) com Luiza Hantschel, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 05.08.1895, residente em Rio Negrinho, filha de Carlos e Maria Hantschel. José Bail faleceu em Rio Negrinho aos 03.01.1968 (6FC-113v), sendo sepultado no cemitério da cidade. Pais de:

3.1 Annita Bail, nascida em São Bento do Sul aos 17.01.1925 (20N-141v). Solteira em 1968.

3.2 Lúcia Bail, doméstica, gêmea de Annita. Foi casada civilmente em Rio Negrinho aos 25.10.1947 (5C-91) com Paulo Beckert, açougueiro, nascido em São Bento do Sul aos 02.09.1924, residente em Rio Negrinho, filho de Willy e Helena Beckert.

(…)

*

JOSEF BEYERL, lavrador, natural de Eisenstrasse, na Boêmia, filho de Anton Bayerl e Anna Maria Saller, casado com Anna Schmidt, natural de Morgesdorf, na Boêmia, filha de Florian Schmidt e Barbara Patrschker. Imigraram de Eisentrasse, ele com 43 anos e a esposa com 28, trazendo consigo quatro filhos, a bordo do Santos, que saiu do porto de Hamburgo no dia 19.07.1877 e chegou no porto de São Francisco do Sul aos 19 ou 20.08.1877. O casal morava na Estrada dos Banhados, onde Josef faleceu no dia 17.11.1891 (2FC-110), aos 57 anos, vítima de febre, tendo sido sepultado na sede de São Bento. O casal teve:

1.1   Anna Bayerl § 1.º

1.2   Josef Bayerl § 2.º

1.3   Carl Bayerl 3.º

1.4   Leopold Bayerl § 4.º

1.5   Rosine Bayerl § 5.º

1.6   Antônio Bayerl § 6.º

1.7   Jacob Bayerl § 7.º

1.8   João Bayerl § 8.º

§ 1.º

1.1 Anna Bayerl, com 23 anos em 1891.

§ 2.º

1.2 Josef Bayerl, com 21 anos em 1891.

§ 3.º

1.3 Carl Bayerl, com 19 anos em 1891.

§ 4.º

 1.4 Leopold Bayerl, com 17 anos em 1891.

(…)

*

ANTON PEYERL, às vezes citado como Bayerl, lavrador, casado com Margareth, com quem imigrou ao Brasil de Neudorf, na Boêmia, aos 49 anos a bordo do Montevideo, que saiu do porto de Hamburgo aos 18.07.1879 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 18.08.1879. Margareth teve a idade declarada de 39 anos. Moravam possivelmente na Estrada Bismarck. Anton Peyerl, faleceu em São Bento do Sul aos 80 anos no dia 08.03.1910 (4FC-39), sendo sepultado no cemitério de Rio Vermelho, em São Bento do Sul. Tiveram, ao que se sabe, os seguintes filhos, que também imigraram ao Brasil:

1.1 Georg Peyerl § 1.º

1.2    Johann Peyerl § 2.º

1.3    Ferdinand Peyerl § 3.º

1.4    Josef Peyerl § 4.º

1.5   Therezia Peyerl § 5.º

§ 1.º

1.1 Georg Peyerl, que tinha 25 anos ao imigrar na companhia dos pais. 

§ 2.º

1.2 Johann Peyerl, ou Bayerl, lavrador, natural nascido em Neudorf aos 04.07.1862, onde também foi batizado, tendo casado religiosamente em São Bento do Sul aos 10.02.1885 com Antonia Posselt, natural do mesmo lugar, filha de Josef e Anna Posselt. Antonia Posselt faleceu aos 28.02.1919. Johann Peyerl, voltou a se casar aos 22.05.1920 (9C-102)[1] com a viúva Maria Stack, de 53 anos, viúva de … Schoeffel, filha de Antonia e Barbara Stack. Johann faleceu na Estrada Bismarck, em São Bento do Sul, aos 22.02.1942 (8FC-132v), sendo sepultado no Cemitério do Rio Vermelho. Com Antonia Posselt, Johann Bayerl teve:

2.1 Alvina Bayerl, casada civilmente em São Bento do Sul aos 21 anos de idade no dia 23.09.1905 (5C-119) com Willybaldo Weiss, nascido na mesma cidade aos 04.10.1881, filho de Anton Weiss e Antonia Schwarzbach, imigrantes de Reichenau, na Boêmia, neto paterno de Johann e Barbara Weiss, e neto materno de Florian e Anna Schwarzbach. Alvina Bayerl já era falecida em 1919.

 2.2 Lina Peyerl, natural de São Bento do Sul, e que foi casada civilmente na mesma cidade com seu cunhado Willybaldo Weiss aos 13.12.1919 (6C-88). Foram declarados desquitados por sentença de 17.05.1921. Uma Lina ou Mina Peyerl que cremos ser a mesma teve os seguintes filhos naturais:

 3.1 Erich Peyerl, nascido em São Bento do Sul aos 20.08.1911 (16N-37).

 3.2 Adivino Peyerl, nascido em São Bento do Sul aos 28.05.1914 (16N-462).

 2.3 Elsa Peyerl, casada em São Bento do Sul aos 24 anos de idade no dia 13.02.1915 (8C-72v). com Luiz Zierhut, de 22 anos, filho de Wenceslau e Maria Zierhut. Luiz Zierhut faleceu em 1964. Sua esposa Elsa Peyerl faleceu em São Bento do Sul aos 22.02.1973 (4FC-46). Tiveram geração conforme o título Zierhut.

 2.4 Otto Peyerl, já falecido em 1942, tendo deixado quatro filhos.

2.5 Hugo Peyerl, com 44 anos em 1942.

2.6 Antônio Peyerl, nascido em São Bento do Sul no dia 01.03.1897 (7N-74) e falecido no mesmo lugar aos 21.04.1897 (3FC-21), tendo sido sepultado no Cemitério Católico do Rio Vermelho.

2.7 João Peyerl Filho, ferreiro, nascido em São Bento do Sul aos 21.04.1898 (7N-139), residente na Estrada Bismarck. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 12.11.1921 (9C-152) com Tereza Randig, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 23.05.1896, residente também na Estrada Bismarck, filha de José e Anna Randig, residentes no distrito de Corupá. Tereza Randig faleceu em São Bento do Sul aos 14.07.1944 (1FC-183), sendo sepultada no Cemitério do Rio Vermelho. Foram pais de:

 3.1 Arthur Peyerl, nascido aos 19.05.1922. Faleceu solteiro em Rio Negrinho aos 27.07.1991 (C3-142), sendo sepultado no Cemitério Parque da Colina, na mesma cidade.

3.2 Waldemar Peyerl, motorista, nascido em São Bento do Sul aos 04.12.1923 (20N-37), residente na Rua Independência. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 22.11.1947 (2C-199v) com Irene Schwedler, professora pública, nascida em São Bento do Sul aos 13.10.1927, residente no bairro Rio Vermelho, filha de Emílio e Maria Schwedler. O casal foi morador na BR-280 nº 2582. Irene Schwedler faleceu em Rio Negrinho aos 16.01.1996 (C4-8v), sendo sepultada no Cemitério de Lençol. Tiveram quatro filhos.

(…)

*

ANTON BAYERL, lavrador, casado com Katharina Meidlinger, doméstica. Imigrou ao Brasil com 57 anos de idade, e sua esposa com 46 anos, vindos da Áustria, que provavelmente queria dizer Boêmia, a bordo do Argentina, com chegada no Brasil aos 22.11.1891. Katharina faleceu em São Bento do Sul aos 61 anos no dia 24.11.1905 (3FC-148v), sendo sepultada no cemitério da vila. Anton Bayerl faleceu na casa do genro Richard Brand, em São Bento do Sul, aos 88 anos de idade no dia 18.02.1919 (5FC-179) Moravam na Estrada dos Banhados, em São Bento do Sul, e tiveram, ao que se sabe:

1.1 Anton Bayerl § 1.º

1.2 Maria Bayerl § 2.º

1.3 Franz Bayerl § 3.º

1.4 Josef Bayerl § 4.º

1.5 Francisca Bayerl § 5.º 

§ 1.º

1.1 Anton Bayerl, natural da  Boêmia, falecido em São Bento do Sul aos 24 anos de idade no dia 04.05.1896 (3FC-5v). 

§ 2.º

1.2 Maria Bayerl, nascida em Neuern, na Boêmia, aos 24.12.1873, e batizada no mesmo lugar, tendo se casado religiosamente (4C-17) e civilmente (3C-145) em São Bento do Sul no dia 07.02.1900 com Richard Brand, lavrador, viúvo de Emma Binner, nascido e batizado em Weisstein, na Prússia, aos 04.03.1870, filho de Ferdinand Brand e Emma Rutke. Ricardo Brand faleceu em São Bento do Sul aos 16.11.1947 (1FC-247) e foi sepultado no Cemitério Municipal. Tiveram a seguinte geração:

2.1 Maria Brand, com 46 anos em 1947.

2.2 Francisca Brand, com 42 anos em 1947.

2.3 Frederico Brand, com 38 anos em 1947.

2.4 João Brand, operário ferroviário, nascido em São Bento do Sul aos 24.03.1912 (16N-125), residente na Estrada dos Banhados. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 28.06.1941 (C1-249) com Frieda Pilz, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 27.04.1910, residente na mesma Estrada dos Banhados, filha de Willhem Pilz e Maria Gassner, neta paterna de Stephan Pilz e Maria Fischer, e neta materna de Franz Gassner e Katharina Mühlbauer. Frieda Pilz, que teve geração anterior ao casamento, conforme o título Pilz,  faleceu em São Bento do Sul aos 22.10.1989 (C3-96v). João Brand faleceu na mesma cidade aos 28.04.1995 (C4-137v), sendo ambos sepultados no Cemitério Municipal. Tiveram:

3.1 Félix Paulo Brand, com 53 anos em 1995.

3.2 Elisabeth Brand, com 50 anos em 1995.

2.5 Rosa Brand, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 19.08.1915 (16N-679), residente na Estrada dos Banhados. Casou-se civilmente na mesma cidade aos 03.03.1943 (2C-13) com Franz Renner, ferroviário, viúvo, nascido aos 12.09.1893 em M. Gladbach, na Alemanha, residente à Rua Pereira e Oliveira sem número, em Mafra, filho de Engelbert e Gertrud Renner, residentes em Düsseldorf, na Alemanha. Franz Renner faleceu em Mafra aos 10.12.1967 (10FC-5), sendo sepultado no cemitério da cidade. Pais de:

3.1 Arlindo Dorival Renner

 3.2 …

 3.3 …

3.º

1.3 Franz Bayerl, industrial, nascido em Neuern, na Boêmia, aos 04.10.1876,  casado civilmente em São Bento do Sul no dia 22.11.1900 (3C-171) e religiosamente aos 24.11.1900 (4C-31) com Martha Binner, nascida aos 11.09.1883, filha de Friedrich Binner e Rosália Reiniger. Pais de ao menos:

 2.1 Francisco Bayerl, nascido em São Bento do Sul aos 05.06.1901 (8N-144). Foi casado com Thereza Augustin, filha de Johann e Francisca Augustin. Tiveram:

3.1 Hilda Bayerl, nascida em São Bento do Sul no dia 01.11.1925 (21N-23). Foi casada civilmente em Rolândia, no Paraná, aos 10.03.1952 com Frederico Steigemberg (11C-31).

2.2 Carlos Bayerl, nascido em São Bento do Sul aos 18.07.1903 (9N-50). Faleceu no mesmo lugar aos 15.02.1905 (3FC-137), sendo sepultado no cemitério da vila.

2.3 Sophia Bayerl, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 18.05.1905 (10N-71), residente na Estrada dos Banhados. Foi casada civilmente na mesma cidade aos 08.11.1924 (10C-89) com Carlos Denk, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 13.09.1899, residente na Estrada Rio Negro, filho de Josef Denk e Therezia Duffeck, neta paterna de Georg Denk e Katharina Jaruscheck, e neta materna de Johann Duffeck e Francisca Brandl. Carlos Denk faleceu no lugar Rio Preto do Sul, no município de Mafra, aos 14.08.1982 (C4-397) e foi sepultado no cemitério local. Sophia Bayerl faleceu no mesmo lugar aos 09.08.1984 (C5-299) e foi sepultada no Cemitério de São Roque. Tiveram geração conforme o título Denk.

2.4 Bertha Bayerl, nascida em São Bento do Sul aos 16.08.1907 (12N-74), residente na Estrada dos Banhados. Foi casada civilmente na mesma cidade aos 10.08.1929 (11C-64) com Max Eckel, lavrador, nascido em Rio Negro aos 26.04.1908, residente no distrito de Rio Preto, filho de Henrique e Maria Eckel.

2.5 Oswaldo Bayerl, nascido em São Bento do Sul aos 24.11.1909 (14N-27v). Faleceu no distrito de Rio Negro aos 27.10.1929 (1FC-41).

(…)

Read Full Post »

Essa é uma pequena mostra da minha pesquisa sobre a Família Dums,  que faz parte do trabalho “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”, em elaboração. Foram duas as famílias Dums que imigraram ao Brasil, provavelmente interligadas apenas em território boêmio. A segunda delas, de Georg Dums, não parece ter permanecido em São Bento do Sul. Os atuais portadores do sobrenome na cidade parecem ser todos descendentes do imigrante Johann Dums.

Se você pertence à família Dums, entre em contato para trocarmos informações sobre a história da sua família.

DUMS

JOHANN DUMS, operário, imigrou ao Brasil aos 57 anos de idade, vindo de Hammern, a bordo do Humboldt, que saiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876, na companhia da esposa Barbara Pflanzer, de 42 anos (idade provavelmente equivocada), lavradora, e os filhos Jakob (29), que trouxe consigo a esposa Anna Maria Pscheidt (21) e a filha Katharina (9 meses), Johann (27), Josef (24), Anna (21) e Georg (17 anos). A família morou na Estrada da Serra, em São Bento do Sul. Johann Dums faleceu em São Bento do Sul aos 94 anos de idade no dia 24.02.1907 (3FC-172). Sua esposa Bárbara Pflanzer já havia falecido na mesma cidade aos 27.10.1893 (2FC-163), sendo sepultada no cemitério público da vila. Tiveram:

1.1 Jakob Dums § 1.º

1.2 Johann Dums § 2.º

1.3 Josef Dums § 3.º

1.4 Anna Dums § 4.º

1.5 Georg Dums § 5.º

§ 1.º

1.1 Jakob Dums, lavrador, nascido na Boêmia, e que veio ao Brasil já casado com Anna Maria Pscheidt, doméstica, filha de Josef Pscheidt e Anna Fleischmann, ou filha natural de Anna Pscheidt. Jakob Dums faleceu em São Bento do Sul aos 81 anos no dia 13.03.1927 (7FC-55), sendo sepultado no Cemitério de Lençol. Sua esposa Anna Maria Pscheidt em São Bento do Sul aos 80 anos de idade no dia 17.05.1935 (18v) e foi sepultada no mesmo lugar. Moravam na Estrada Dona Francisca e tiveram:

2.1 Katharina Dums, que imigrou com os pais aos nove meses de idade e faleceu a bordo do Humbolt.

2.2 Theresa Dums, nascida em São Bento do Sul aos 12.06.1878 e batizada no mesmo lugar aos 26.07.1878, tendo como padrinhos Karl Rohrbacher e sua esposa Katharina Dorner.

2.3 Anna Maria Dums, ou apenas Maria Dums, nascida em São Bento do Sul aos 10.07.1879 e batizada no mesmo lugar aos 11.08.1879, tendo como padrinhos Karl Rohrbacher e sua esposa Katharina Dorner. Foi casada civilmente em São Bento do Sul aos 14.06.1897 (3C-46v) com Ferdinand Schadeck, carreteiro, de 23 anos de idade, nascido na Boêmia, filho de Karl Schadeck e Klara Grosskopf, já falecida.

2.4 Anna Dums, nascida em São Bento do Sul aos 18.07.1880 e batizada no mesmo lugar aos 11.10.1880, tendo como padrinhos Karl Rohrbacher e Katharina Dorner. Faleceu em São Bento do Sul aos 08.02.1885, sendo sepultado no cemitério da sede da Colônia.

2.5 Rosália Dums, doméstica, nascida aos 08.01.1882 e batizada em São Bento do Sul aos 21.01.1882, tendo como padrinhos Karl Rohrbacher e Katharina Dorner. Casou-se com civilmente na mesma cidade aos 10.08.1901 (3C-195) com Willy Prüss, marceneiro, nascido aos 16.09.1877, filho de Wilhelm Friedrich Martin Prüss, de Kiel, na Alemanha, e Lizette Christine Henriette Retz, de Hühl, na Boêmia, neta paterna de Joachim e Sophie Pruss, e neta materna de Heinrich Retz e Katharina Otl. O casal morou em Lageado, no município de Piên. Rosália Dums faleceu em Piên aos 31.12.1949 (3FC-152), sendo sepultada no Cemitério de Lageado. Willy Prüss faleceu aos 09.05.1952. Pais de:

3.1 Frida Prüss, casada com Alfredo Ritzmann.

3.2 Antônio Prüss, casado.

3.3 Elsa Prüss, casada com Eugênio Olsen.

3.4 Hedwiges Prüss, casada com Alfredo Olsen.

3.5 Susana Prüss, casada com Luis Stibel(?).

3.6 Alberto Prüss, casado.

(..)

§ 2.º

1.2 Johann Dums, lavrador, nascido em Hammern, na Boêmia, aos 12.01.1848. Foi um dos músicos da Banda Augustin, a primeira banda de música de São Bento do Sul, criada em 1876 para animar o baile de casamento de Benedikt Beyerl e Anna Maria Neppel. Johann Dums foi casado em Joinville aos 26.11.1877 com Francisca Dorner, nascida em Hammern aos 31.10.1852, filha de Georg Dorner e Anna Stiegler, que imigrou ao Brasil viúva, vinda de Hammern, na Boêmia. Moravam na Estrada Dona Francisca. Francisca Dorner faleceu no bairro Lençol, em São Bento do Sul, aos 30.04.1913 (4FC-209), sendo sepultada no Cemitério de Lençol. Johann Dums faleceu no mesmo lugar aos 28.08.1929 (7FC-106) e foi sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

(..)

*

GEORG DUMS, lavrador, filho de Franz Dums e Anna Maria Linzmayer, falecidos na Boêmia antes de 1890. Georg imigrou ao Brasil aos 37 anos de idade, vindo de Hammern, na Boêmia, na companhia da esposa Maria Linzmayer, de 29 anos, filha de Josef Linzmayer e Elizabeth Spaet, e dos filhos Barbara (3) e Ludwig (9 meses), além da mãe Bárbara(?), viúva, de 63 anos, a bordo do Santos, que saiu do porto de Hamburgo, na Alemanha, aos 19.07.1877 e chegou ao porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina, no dia 19 ou 20.08.1877. Foram pais de:

1.1 Barbara Dums § 1.º

1.2 Ludwig Dums § 2.º

1.3 Francisco Dums § 3.º

1.4 Jorge Dums § 4.º

1.5 João Dums § 5.º

§ 1.º

1.1 Barbara Dums, que imigrou ao Brasil na companhia dos pais aos 3 anos de idade.

§ 2.º

1.2 Ludwig Dums, que tinha nove meses ao imigrar ao Brasil com os pais.

§ 3.º

1.3 Francisco Dums, nascido em São Bento do Sul aos 17.08.1879 e batizado no mesmo lugar aos 19.08.1879, tendo como padrinhs Franz Stoeberl e Katharina Frisch.

 (…)

Read Full Post »

Essa é uma pequena mostra da minha pesquisa sobre a Família Denk,  que faz parte do trabalho “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”, em elaboração. Foram duas as famílias Denk que imigraram ao Brasil, provavelmente interligadas apenas em território boêmio. Se você pertence à família Denk, entre em contato para trocarmos informações sobre a história da sua família.

DENK

JOSEF DENK, operário e lavrador, filho de outro Josef Denk e de Barbara Multerer ou Brechtel, ou ainda Margaretha, conforme o registro, e que já eram falecidos em 1893. Josef imigrou ao Brasil aos 26 anos, de Fagershof, na Boêmia, a bordo do Rio, que saiu do porto de Hamburgo aos 20.03.1877 e chegou ao porto de São Francisco do Sul às 10h do dia 22.04.1877, acompanhado da esposa Margaretha Weber, de 25 anos, filha de Mathias e Dorothea ou Anna Weber, já falecidos em 1893, e os filhos Anna (4 anos e 9 meses) e Franz (9 meses). A família se estabeleceu na Estrada dos Banhados. Josef Denk faleceu na Estrada Saraiva, em São Bento, aos 64 anos de idade no dia 17.05.1914 (4FC-258) ou então 23.05.1914, sendo sepultado no cemitério da Vila.  Foram pais de:

1.1   Anna Denk § 1.º

1.2   Franz Denk § 2.º

1.3   José Denk § 3.º

1.4   Francisca Denk § 4.º

1.5   Maria Denk § 5.º

1.6   Thereza Denk § 6.º

1.7   Margaretha Denk § 7.º

§ 1.º

1.1 Anna Denk, que nasceu ainda na Boêmia e imigrou aos quatro anos e nove meses de idade. 

§ 2.º

1.2 Franz Denk, nascido na Boêmia e imigrado ao Brasil com nove meses de idade. 

§ 3.º

1.3 José Denk, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 08.09.1877 e batizado na mesma cidade aos 15.09.1877, tendo como padrinho Josef Zipperer. Casou-se religiosamente na mesma cidade aos 20.06.1900 (6C-21), e civilmente apenas aos 20.07.1926 (10C-163), com Ida Gruber, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 11.01.1880, filha de Karl Gruber e Maria Fürch, neta paterna de Jakob Gruber e Anna Maria Maurer, e neta materna de Carolina Fürch. José Denk morava na Estrada dos Banhados e faleceu na casa do filho Aloísio Denk, na Estrada Saraiva, aos 05.06.1944 (1FC-180), sendo sepultado no Cemitério Municipal. Pais de:

2.1 Emília Denk, nascida São Bento do Sul aos 08.08.1901 e casada civilmente no mesmo lugar no dia 01.08.1925 com José Augustin, carroceiro, nascido no dia 01.03.1900, residente na Estrada dos Banhados, filho de Wolfgang Augustin e Francisca Hornig, neto paterno de Franz Augustin e Anna Maria Altmann, de Neuern, na Boêmia, e neto materno de Franz Hornig e Katharina Schmidt. Emília Denk residia na Estrada Schramm quando faleceu em São Bento do Sul, já em estado de viúva, aos 12.06.1976 (C1-20v). Foi sepultada no Cemitério de Santa Cruz, no distrito de Rio Preto do Sul, em Mafra. Tiveram geração conforme o título Augustin.

2.2 Walter Denk, operário, nascido em São Bento do Sul aos 11.09.1903 (9N-56), residente na Estrada dos Banhados. Foi casado civilmente na mesma cidade aos 27.04.1925 (10C-112) com Clara Stoeberl, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 25.08.1905, residente também na Estrada dos Banhados, filha de Ignácio e Maria Stoeberl. Foram pais de:

 (…)

*

GEORG DENK, natural da Boêmia, filho de Mathias Denk e Cristina Jacke, casado com Katharina Jaruscheck, filha de Mathias Jaruscheck e Maria Jacke, os quais imigraram ao Brasil em data desconhecida. Katharina Jaruscheck faleceu em São Bento do Sul aos 69 anos de idade no dia 06.09.1914 (4FC-268), sendo sepultado no Cemitério de Lençol. Foram moradores também na Estrada das Neves e tiveram dois filhos:

 1.1 Josef Denk § 1.º

1.2 Carlos Denk § 2.º

§ 1.º

1.1 Josef Denk, nascido na Boêmia no dia 31.12.1875 ou então 01.01.1876, e casado religiosamente em São Bento do Sul aos 17.02.1896 (5C-51) com Thereza Duffeck, nascida em São Bento do Sul aos 27.01.1880, filha de Johann Duffeck e Francisca Brandl, neta paterna de Anton Duffeck e Margaretha Eckert, neta paterna de Georg Brandl e Katharina Altmann. Pais de:

2.1 José Denk, lavrador, nascido em São Bento do Sul no dia 01.05.1896 (7N-15v) e batizado na mesma cidade aos 20.05.1896 (7B-29v), tendo como padrinhos Aloísio Duffeck e Crescência Stascheck. Residente na Estrada Rio Negro. Foi casado civilmente em São Bento do Sul aos 13.11.1926 (10C-177v) com Maria Mühlbauer, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 24.06.1900, residente na Estrada dos Banhados, filha de Georg Mühlbauer e Maria Steinert, neta paterna de Anton Mühlbauer e Barbara Pfeffer, e neta materna de João e Maria Steinert. Foram moradores de Rio Preto do Sul, no município de Mafra. Tiveram ao menos:

3.1 Ervino Denck, operário, nascido no distrito de Rio Preto do Sul, em Mafra, aos 07.12.1927, e casado civilmente em São Bento do Sul aos 10.01.1953 (3C-118) com Catharina Zoelner, lavradora, nascida em Campo Alegre aos 09.09.1932, residente no lugar Rio Represo, filha de Francisco e Thereza Zoelner.

2.2 Thereza Denk, nascida em São Bento do Sul no dia 19.09.1897 (7N-99v). Cremos ser a mesma assim chamada que se casou civilmente na mesma cidade aos 20 anos de idade no dia 11.11.1916 (9C-20) com Otto Jantsch, lavrador, de 21 anos, filho de Guilherme e Anna Jantsch.

2.3 Carlos Denk, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 13.09.1899, residente na Estrada Rio Negro, e casado civilmente na mesma cidade aos 08.11.1924 com Sophia Bayerl, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 18.06.1905, residente na Estrada dos Banhados, filha de Francisco e Martha Bayerl. Carlos Denk faleceu no lugar Rio Preto do Sul, no município de Mafra, aos 14.08.1982 (C4-397) e foi sepultado no cemitério local. Sophia faleceu no mesmo lugar aos 09.08.1984 (C5-299) e foi sepultada no Cemitério de São Roque.

(…)

Read Full Post »

Essa é uma pequena mostra da minha pesquisa sobre a Família Grossl, uma das mais conhecidas na região de São Bento do Sul, e que faz parte do trabalho “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”, em elaboração. Não foi uma, mas cinco as famílias Grossl que imigraram para o Brasil, e todas elas só vão se tornar uma única em solo boêmio.  Se você pertence à família Grossl, entre em contato para trocarmos informações.

.

Grossl

.

JOHANN GROSSL, lavrador, imigrou de Hammern, na Boêmia, aos 55 anos de idade, com sua esposa Theresia Linzmeyer, de 53 anos, e seis filhos a bordo do Shakespeare, que partiu do porto de Hamburgo, na Alemanha, aos 20.09.1874 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.11.1874. Johann Grossl recebeu um lote de Estrada Argolo. Já era falecido em 1889. O casal teve os seguintes filhos:

1.1 Theresia Grossl § 1.º

1.2 Franz Grossl § 2.º

1.3 Ignatz Grossl § 3.º

1.4 Rosalie Grossl § 4.º

1.5 Johann Grossl § 5.º

1.6 Karl Grossl § 6.º

§ 1.º

1.1 Theresia Grossl, lavradora, nascida em Hammern e casada religiosamente em São Bento do Sul aos 40 anos de idade no dia 08.10.1892, e civilmente aos 23.05.1893 (2C-170), com Josef Brandl, viúvo de Anna Schweinfurter, nascido por volta de 1837 em Eisentrasse, na Boêmia, filho de Michael Brandl e Margareth Mundl. O casal, ao que tudo indica, não teve descendência. Josef Brandl faleceu na casa de seu genro Benedikt Beyerl no dia 02.07.1917, sendo sepultado no Cemitério Municipal, em lápide não mais encontrada. Theresia Grossl faleceu em São Bento do Sul no dia 22.06.1930.

§ 2.º

1.2 Franz Grossl, lavrador na Estrada Argolo, nascido e batizado em Hammern. Casou-se em primeiras núpcias com Catharina Christoff, filha de Georg Christoff e Barbara Pscheidt, neta paterna de outro Georg Christoff e Waldburga Linzmeyer, neta materna de Georg Pscheidt e Catharina Braun. Catharina Christoff faleceu aos 21 anos no dia 27.08.1885. Viúvo, Franz Grossl voltou a se casar em São Bento do Sul no dia 10.02.1886 com Anna Stascheck, de 20 anos, nascida em Plöss e batizada em Rothenbaum, na Boêmia, filha dos imigrantes Franz Stascheck e Anna Maria Mühlbauer, neta paterna de Johann Stascheck e Maria Schweda, neta materna de Jacob Mühlbauer e Margarida Seidl. Franz Grossl faleceu em São Bento do Sul no dia 06.11.1911, aos 54 anos. Com Catharina Christoff, Franz Grossl teve;

2.1 Jorge Grossl, nascido em São Bento do Sul aos 09.08.1882 e batizado no mesmo lugar aos 27.08.1882, tendo como padrinhos Georg e Franziska Grossl.

2.2 Francisca Grossl, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 18.10.1883 e batizada no mesmo lugar aos 10.11.1883, tendo como padrinhos Georg e Franziska Grossl. Casou-se civilmente em São Bento do Sul aos 10.10.1914 (8C-58v) com Frederico Wilhelm Johann Franz, lavrador, batizado protestante na mesma cidade aos 26.09.1891, filho de Heinrich Franz e Albertina Kämpfert. Moravam no bairro Mato Preto. Lá, Francisca Grossl faleceu aos 17.12.1970 (3FC-279), sendo sepultada no Cemitério da Estrada Dona Francisca. Seu esposo Frederico faleceu no mesmo lugar aos 14.08.1972 (4FC-27v) e foi sepultado no mesmo cemitério. Pais de:

 3.1 Rosina Franz, com 57 anos em 1972.

 3.2 Erico Franz, com 56 anos em 1972.

 3.3 Alberto Franz, com 54 anos em 1972.

2.3 Maria Grossl, falecida em São Bento do Sul aos 5 meses de idade no dia 18.01.1886, sendo sepultada no cemitério da sede da cidade. 

(…)

*

GEORG GROSSL, lavrador, que nasceu em Hammern, na Boêmia, no mês de novembro de 1847, mas não se lembrava o dia. Era filho de Johann Grossl e Franziska Hüttl ou Brey, que talvez tenham imigrado para São Bento também, embora não se tenha achado, até o momento, qualquer registro do casal. Georg Grossl imigrou a bordo do Humboldt, que saiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876. Veio com a esposa Franziska Linzmeyer, nascida aos 02.02.1847, filha de Josef Linzmeyer e Anna Stahl, ambos falecidos na Boêmia. O casal trouxe consigo a filha Maria, além de Katharina Grossl, de 26 anos, irmã de Georg Grossl. Ainda em 1876, Georg recebeu um lote colonial na Estrada dos Banhados a oeste. Franziska faleceu aos 16.09.1891 (2FC-102v), aos 44 anos de idade, sendo sepultada no cemitério da sede de São Bento do Sul. Georg ainda vivia em 1914. Foram pais de:

 1.1 Maria Grossl § 1.º

 1.2 … Grossl § 2.º

1.3 Jorge Grossl § 3.º

1.º

1.1 Maria Grossl, que imigrou ao Brasil na companhia dos pais com apenas 3 meses de idade, nascida aos 25.01.1876. Foi casada religiosamente em São Bento do Sul no dia 15.01.1900 (6C-15) com Wolfgang Schiessl, nascido na mesma cidade aos 30.10.1877, residente na Colônia Lucena, filho de Josef Schiessl e Anna Pankratz, imigrantes de Stachenried, na Bavária, neto paterno de outro Josef Schiessl e Therezia Nagel, e neto materno de Michael Pankratz e Eva Horn. 

(…)

*

KARL GROSSL, casado com Margareth Schreiner, e que já era falecido em 1876, quando a esposa imigrou ao Brasil, acompanhada dos filhos, a bordo do Humboldt, que saiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876. Foram pais de:

1.1 Mathias Grossl § 1.º

1.2 Georg Grossl § 3.º

1.3 Katharina Grossl § 2.º

§ 1.º

1.1 Mathias Grossl, operário e lavrador, nascido em Hammern aos 22.09.1842. Imigrou na companhia da mãe, a bordo do Humboldt, em 1876. Casou-se em São Bento do Sul aos 14.04.1878 com Katharina Stuiber, filha de Georg Stuiber e Thereza Kirchner. Moravam na Estrada Paraná. Mathias Grossl faleceu na Estrada Dona Francisca aos 69 anos de idade no dia 09.05.1911, sendo sepultado no cemitério de Lençol. Foram moradores na Estrada da Serra e tiveram:

 2.1 Carlos Grossl, curtidor, nascido na Estrada da Serra aos 03.02.1879 (1N-10v) e batizado em São Bento do Sul aos 10.02.1879, tendo como padrinhos Carlos Stuiber e sua esposa Thereza. Foi casado civilmente na mesma cidade no dia 01.12.1900 (3C-173) e religiosamente na capela de Lençol aos 19.11.1901 (6C-44) com Maria Neidert, doméstica, de 20 anos, filha de Francisco e Augusta Neidert. Maria Neidert faleceu em Lençol aos 09.05.1946 (1FC-216v) e foi sepultada no cemitério daquela localidade.

(…)

*

KASPER GROSSL, operário, imigrou de Eisenstrasse, na Boêmia, aos 55 anos de idade, em companhia da esposa Barbara Bangerl, de 48 anos, e seus filhos, a bordo do Humboldt, que saiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876. Kasper Grossl faleceu em São Bento do Sul, já em estado de viúvo, no dia 21.06.1904 (3FC-128v), aos 84 anos de idade, sendo sepultado no Cemitério de Lençol. Tiveram a seguinte geração:

1.1 Catharina Grossl § 1.º

1.2 Kasper Grossl § 2.º

1.3 Karl Grossl § 3.º

1.4 Josef Grossl § 4.º

§ 1.º

1.1 Catharina Grossl, nascida em Eisenstrasse. Morava na Estrada da Comunicação e foi casada com Andreas Seidl, filho de outro Andreas Seidl e sua esposa Barbara Rürhl, imigrantes de Glasshütte, na Boêmia. Foram moradores da Estrada Dona Francisca. Andreas Seidl faleceu em São Bento do Sul aos 81 anos de idade no dia 27.04.1933. Tiveram geração conforme o título Seidl.

§ 2.º

1.2 Kasper Grossl, nascido e batizado em Eisenstrasse. Foi casado em São Bento do Sul aos 28 anos de idade no dia 26.06.1888 com Anna Brandl, também de Eisenstrasse, nascida aos 23.04.1868, filha de Josef Brandl e Anna Schweinfurter, neta paterna de Michael Brandl e Margareth Mundl. Kasper Grossl faleceu em São Bento do Sul aos 79 anos de idade no dia 30.04.1938. Sua esposa Anna Brandl faleceu na mesma cidade no dia 01.11.1948 (8FC-269), aos 81 anos de idade, sendo sepultada no Cemitério Municipal. Moravam na Estrada Argolo e foram pais de:

2.1 Maria Grossl, nascida em São Bento do Sul aos 05.04.1891 (4N-134) e falecida no dia 08.04.1891, tendo sido sepultada no cemitério da sede de São Bento do Sul.

2.2 Francisco Grossl, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 03.02.1894 e casado civilmente no mesmo lugar aos 12.01.1924 (10C-49) com Anna Kuchler, doméstica, nascida aos 08.03.1892, residente na Estrada dos Banhados, filha de Josef e Anna Kuchler. Francisco Grossl faleceu em sua casa na Estrada dos Banhados, em São Bento do Sul aos 16.05.1968 (3FC-203v). Sua esposa Anna Kuchler faleceu no mesmo lugar aos 05.09.1978 (C1-120), sendo ambos sepultados no Cemitério Municipal. Foram pais de:

3.1 José Grossl, lavrador, nascido em São Bento do Sul aos 16.05.1925 (20N-172). Residia na Estrada dos Banhados e foi casado civilmente na mesma cidade aos 20.11.1954 (3C-246) com Regina Pilz, lavradora, nascida em São Bento do Sul aos 26.03.1930, residente na Estrada Sertão, filha de Hugo e Maria Pilz. José Grossl residia na Rua Carlos Manoel Linzmeyer, sem número, quando faleceu em São Bento do Sul aos 19.02.1987 (C2-244), sendo sepultado no Cemitério Municipal.

(…)

*

LAURENZ GROSSL, operário, imigrou aos 43 anos de Eisentrasse, na Boêmia, a bordo do Humboldt, que saiu do porto de Hamburgo aos 15.04.1876 e que chegou ao porto de São Francisco do Sul aos 11.06.1876, na companhia da esposa Catharina Zöllner e os seus quatro filhos. O casal se estabeleceu no caminho oeste da Estrada dos Banhados. Ambos já eram falecidos no ano de 1884. Foram pais de:

1.1 Michael Grossl § 1.º

1.2 Katharina Grossl § 2.º

1.3 Theresia Grossl § 3.º

1.4 Ludwig ou Laurenz Grossl § 4.º

§ 1.º

1.1 Michael Grossl, nascido e batizado em Grün, na Boêmia. Imigrou ao Brasil na companhia dos pais aos 17 anos de idade. Foi casado em São bento do Sul aos 25 anos de idade no dia 14.07.1885 com Franziska Fürst, de 25 anos de idade, nascida e batizada em Hammern, na Boêmia, filha de Ignatz Fürst e Waldburga Oberhofer, que vieram ao Brasil a bordo do Humboldt, o mesmo barco que trouxe Michael Grossl e sua família. Assim como o pai, Michael Grossl recebeu um lote colonial na Estrada dos Banhados a oeste em 1876.

(…)

Read Full Post »

Esse é o início do título Treml, umas das famílias estudadas na minha “Genealogia Boêmia de São Bento do Sul”, ainda inédita. Se você for membro da família Treml, entre em contato para trocarmos informações e ter seu nome incluído no trabalho.

TREML

JAKOB TREMLoperário e carpinteiro, nascido em Flecken, na Boêmia, no dia 28.08.1842, filho de outro Jakob Treml e de Barbara Bachmeier, filha de Georg Bachmeier. Casou-se em Rothenbaum em janeiro de 1869 com Maria Böhm, natural de Plöss, filha de Josef Böhm e Maria Rank, com quem imigrou de Flecken ao Brasil a bordo do Humboldt, que chegou ao porto de São Francisco do Sul no dia 11.06.1876. Recebeu um lote colonial na Estrada Rio Negro. Faleceu em São Bento do Sul, na casa de seu filho Antônio Treml, no dia 11.03.1924. Maria faleceu na mesma casa no dia 23.04.1937, aos 92 anos, tendo sido sepultada no Cemitério Municipal. Ele e sua esposa tiveram:

 1.1 Josef Treml § 1.º

 1.2 Barbara Treml § 2.º

 1.3 Jacob Treml § 3.º

 1.4 Antônio Treml § 4.º

 1.5 Maria Treml § 5.º

 1.6 Francisca Treml § 6.º

 1.7 Barbara Treml § 7.º

1.8 João Treml § 8.º

1.9 Thereza Treml § 9.º

§ 1.º

1.1 Josef Treml, nascido em Flecken no dia 20.01.1871 e batizado em Rothenbaum. Casou-se em São Bento do Sul aos 22 anos no dia 01.06.1892 com Thereza Hien, nascida aos 11.11.1871, nascida e batizada em Plöss, filha dos imigrantes Georg Hien e Therezia Speckl. Josef faleceu no dia 27.12.1940 e Thereza aos 15.05.1943, tendo sido ambos sepultados no Cemitério Municipal da cidade. Pais de ao menos:

…………………..2.1 Thereza Treml, casada em São Bento do Sul aos 22 anos no dia 25.04.1917 com Carlos Pscheidt, de 23 anos, filho de Benedikt Pscheidt e Franziska Lobermeyer, neto paterno de Wenzel Pscheidt e Magdalena Zipperer, e neto materno de Georg Lobermeyer e Barbara Grossl. Já viúvo, Carlos faleceu aos 13.11.1934. Tiveram geração conforme o título Pscheidt.

…………………..2.2 Miguel Treml, sapateiro, nascido em São Bento do Sul aos 13.01.1898. Foi casado na mesma cidade no dia 29.07.1921 com Emma Maros, doméstica, nascida em São Bento do Sul aos 10.12.1901, filha de Josef e Emma Maros. Miguel residia à Rua Capitão Osmar Romão da Silva e faleceu no dia 21.03.1975, tendo sido sepultado no Cemitério Municipal da cidade. Ele e sua esposa tiveram:

………………………………3.1 Theolinda Treml, nascida em São Bento do Sul aos 26.02.1921.

……………………………..3.2 Erna Treml, com 49 anos em 1975.

……………………………..3.3 Arnaldo Treml, operário, nascido aos 19.02.1928, em São Bento do Sul. Casou-se na mesma cidade no dia 17.11.1951, quando residia na Estrada das Neves, com Sonja Blunk, operária, nascida em Corupá no dia 17.01.1927, residente à Rua Barão do Rio Branco, em São Bento do Sul, filha de Guilherme e Frieda Blunk.

…………………………….3.4 Lotário Edmundo Treml, auxiliar de escritório, nascido em São Bento do Sul aos 28.10.1929. Foi casado com Dalva Servina Monich, doméstica, nascida no dia 07.10.1931, filha de Willybald Monich e Anna Maria Selke, neta paterna de Hans Friedrich Richard Monich e Karoline Amalia Anna Klaumann, e neta materna de Francisco Frederico e Emma Selke. 

……………………………3.5 Milton Treml, industriário, nascido em São Bento do Sul no dia 19.10.1931. Faleceu solteiro e sem filhos no dia 27.06.1992, tendo sido sepultado no Cemitério Municipal da cidade.

………………….2.3 Francisca Treml, nascida em São Bento do Sul aos 06.11.1900.

………………….2.4 Barbara Treml, doméstica, nascida aos 12.11.1905 e falecida aos 09.09.1949. Casou-se em São Bento do Sul no dia 25.04.1925 com Francisco Hinke, ferreiro, nascido no dia 05.12.1900, domiciliado e residente no lugar São Pedro, filho de Heinrich Hinke, de Polaum, e sua segunda esposa Rosalia Jungbäck, de Hammern, neto paterno de Johann Hinke e Agatha Hojer ou Heuer, e neto materno de Sebastian Jungbäck e Therezia Hoffmann. Tiveram geração conforme o título Hinke.

 ………………..2.5 Hedwiges Treml, nascida em São Bento do Sul aos 03.10.1908.

………………..2.6 José Treml, lavrador nascido em São Bento do Sul aos 03.08.1911. Residia na Estrada Rio Negro e casou-se na mesma cidade no dia 25.02.1933 com Francisca Bachel, doméstica, nascida aos 08.04.1911, residente à mesma estrada, filha de José e Francisca Bachel. José faleceu em São Bento do Sul no dia 28.08.1988 e foi sepultado no Cemitério Municipal. Sua esposa Francisca faleceu aos 30.11.1995, tendo sido sepultada no mesmo Cemitério. Tiveram: (continua)

Read Full Post »

Older Posts »